Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Terça-feira, 27 DE Setembro 2011
Moçambique

NESTA nova constelação das estrelas africanas não existe tempo nem espaço para grandes invenções, pois as artistas conhecem-se mutuamente. A nossa selecção, com exibições à altura dos seus pergaminhos, faz as contas do primeiro lugar do grupo, mas, para tanto, urge vencer hoje o Mali, no maior e verdadeiro teste à sua capacidade de desempenho.

 

Num Afrobásquete em que a imprevisibilidade é muito grande e a qualificação para os Jogos Olímpicos de Londres-2012 é o objectivo mais atraente, apesar de se estar ainda na primeira fase, ninguém quer ceder e muito menos revelar sinais de fraqueza. Por enquanto, vencer o grupo é a razão primordial, pois entre Senegal, Mali, Moçambique, Angola e Nigéria ninguém quer se cruzar com ninguém nos quartos-de-final, para que não “morra” cedo.

 

 

É a partir deste pressuposto que mais logo, no pavilhão do Estádio 26 de Março, a partir das 18.00 horas de Bamako (20.00 do Maputo), o desafio entre anfitriãs e moçambicanas vai “parar” a capital maliana, já que toda a gente está ávida em ver até que ponto os dois conjuntos estão à altura de se desenvencilhar perante obstáculos de maior peso.

 

 

No seio da nossa equipa, após a folga gozada ontem, que, para além de mais uma sessão de treino que o técnico Carlos Alberto Niquice (Bitcho) aproveitou para insuflar nas jogadoras mais fundamentos técnico-tácticos de modo a fazerem frente às campeãs africanas, serviu também para o descanso das atletas, que vêm sendo sujeitas a uma incrível maratona de jogos desde os princípios de Setembro.

 

 

Olhando para as primeiras três jornadas, é lícito reconhecer que a caminhada da selecção tem sido fantástica, até porque, mesmo tendo em conta a discrepância de valor em relação à Costa do Marfim (69-65), RD Congo (76-55) e Tunísia (69-53), o técnico nacional entende que era imprescindível entrar-se a ganhar, exibindo-se ou não, a equipa, ao seu nível. Por isso, Bitcho reconhece que, diante das marfinensas, a partida não correu de todo bem e foram visíveis problemas relacionados com a altitude, o ambiente encontrado em Bamako, entre outras adversidades, daí que valeu mais pela vitória do que pela exibição.

 

 

No segundo desafio, contra as congolesas, o time melhorou substancialmente, esteve igual a si próprio e vencemos com grande categoria Já frente à Tunísia, de acordo com o treinador, Moçambique registou um excelente primeiro período e criou uma vantagem confortável, facto que, infelizmente, concorreu para que no segundo as jogadoras se desconcentrassem um pouco, permitindo desse modo às tunisinas acreditarem e até lograrem uma certa recuperação no marcador, embora, no essencial, tenha acabado por triunfar tranquilamente por 16 pontos.

 

 

Globalmente, estamos satisfeitos com a prestação da equipa, apesar de muito calor e humidade que caracterizam Bamako por estas alturas do ano. Temos conseguido superar estes contratempos, mercê da nossa grande força de vontade, muita determinação e galhardia das atletas, fazendo respeitar o nome e o prestígio que o nosso país conquistou no basquetebol feminino, tanto a nível de selecções como de clubes”, explicou o “mister”.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:56
 O que é? |  O que é? | favorito
Carlos Niquice

Quarta classificada nos Jogos Africanos, após uma memorável carreira que somente foi ofuscada já nas meias-finais, urge questionar: afinal, até onde irá esta selecção? Carlos Alberto Niquice prefere não correr com o sal atrás da galinha, como sói dizer-se na gíria popular, mas sim fazer o campeonato jogo a jogo, até porque, depois de três encontros que nos correram de feição, está aí o colosso Mali, detentor do título e com a particularidade de actuar no seu ambiente e perante um fervoroso público que quando a equipa joga enche por completo o pavilhão do Estádio 26 de Março.

 

 

A despeito do enorme potencial das malianas, o seleccionador nacional diz que temos uma boa formação, tem lutado muito, está a dar sinais de muita vontade de ganhar e, por isso, perfeitamente capaz de ombrear com o seu adversário desta noite, pois o seu objectivo é, para já, terminar a primeira fase como vencedor do grupo.

 

 

Aliás, segundo o treinador, entre a selecção maliana que esteve na Olimpíada continental e a presente no Afrobásquete existe uma total diferença. “Esta é muito mais forte, melhor estruturada e que com o apoio dos espectadores certamente se galvanizará ainda mais. O nosso maior receio é precisamente com a reacção do público do que com o potencial das suas jogadoras. Mesmo assim, estamos preparados, confiamos naquilo que são os nossos pontos fortes, nomeadamente muita agressividade defensiva e rápida transição defesa/ataque.

 

 

É irrefutável que Moçambique já está nos quartos-de-final, restando saber se na qualidade de primeiro ou de segundo, o que somente será decidido esta noite, no confronto com o Mali. Ora, perspectivando já os quartos-de-final, Bitcho afirma que é sua finalidade, por enquanto, tentar evitar os colossos do outro grupo, designadamente Senegal, o que é improvável, já que terminará em primeiro, Angola e Nigéria.

 

 

Estamos a equacionar todas as hipóteses, mas não se pode evitar o inevitável: caso não vençamos o Mali, encontraremos Angola ou Nigéria. Portanto, estamos conscientes desta realidade, mas também determinados na prossecução dos nossos objectivos, pois o limite é verdadeiramente o céu” acrescentou.

Programa de jogos

 

Estádio 26 de Março

 

 

16.00 – Guiné-Camarões

18.00 – Angola-Nigéria

20.00 – Mali-Moçambique

22.00 – Tunísia-RD Congo

 

 

Pavilhão Modibo Keita

 

 

16.00 – Costa do Marfim-Gana

18.00 – Senegal-Ruanda

 

 

  • Alexandre Zandamela, em Bamako
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 11:50
 O que é? |  O que é? | favorito
Em 2009,Moçambique e Angola empataram a dois golos

CINQUENTA minutos é o tempo que separa a Selecção Nacional de hóquei em patins dos quartos-de-final do Campeonato do Mundo do Grupo A que se realiza em San Juan, Argentina.

 

Conforme se projectava, a equipa moçambicana irá decidir o seu destino frente à selecção de Angola na terceira e última jornada do Grupo C.

A excelente vitória na estreia frente aos Estados Unidos deixou o combinado nacional super motivado para alcançar os quartos-de-final, algo que a acontecer será pela segunda vez na história, depois de há 10 anos ter alcançado este feito precisamente em San Juan.

 

 

A última vez que Moçambique e Angola se defrontaram foi há dois anos, no último Mundial (Vigo-2009), tendo se registado uma igualdade a duas bolas. Os golos da Selecção Nacional foram apontados por dois jogadores que deixaram de fazer parte da equipa: Paulo Pereira e Júlio Soares. Mas se já não há Paulo Pereira, melhor de sempre da equipa moçambicana em mundiais, há um nome que começa a despoletar em San Juan.

 

 

Trata-se de Frederico Saraiva, hoquista moçambicano que actua na Académica de Espinho, e marcou quatro dos dez golos no triunfo da turma moçambicana sobre os Estados Unidos.

 

 

Para além de Frederico Saraiva, há a reter o nome de Mário Rodrigues, ou se quisermos Marinho, ele que também se estreia com a camisola nacional, e que já conta com três golos.

 

 

A juntar a esta dupla, é de salientar Bruno Pimentel, capitão da selecção, já na casa dos 35 anos ainda joga com a mesma firmeza e contra os EUA deixou a sua marca ao apontar dois golos. A juventude e a experiência estão, portanto, aliados numa selecção que parece ter assimilado rapidamente os métodos do técnico português, Pedro Nunes.    

 

   

Estes são apenas indicadores que fazem crer que hoje a história de há 10 anos poderá se repetir.

Entretanto ontem, registaram-se os seguintes resultados: Angola-EUA (7-4) e Moçambique-Portugal (3-7).

 

 

 

Fopnte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:41
 O que é? |  O que é? | favorito
Carlos Niquice (Bitcho)

A INTEMPESTIVA saída do técnico espanhol, no meio de dois grandes eventos, espantou muita gente, chegando-se até a temer complicações do ponto de vista moral no seio do grupo. Porém, Carlos Alberto Niquice diz não sentir esse facto, embora reconheça que uma rendição tem sempre qualquer coisa que se diga.

 

As miúdas têm feito de tudo para esquecer o que se passou em Maputo e estamos agora concentrados no trabalho que temos em Bamako, e que é bastante difícil. Sinto que a equipa está a dar o melhor de si, apesar de imensas dificuldades relacionadas com calor e cansaço. Algumas jogadoras estão em subrendimento, mas estamos a tentar recuperá-las para no momento da verdade ajudarem a equipa a atingir os seus objectivos”, referiu o técnico.

 

 

Humildemente, como aliás lhe é peculiar, Bitcho endereçou os parabéns ao seu predecessor, Luiz Lopes Hernández, pelo trabalho que desenvolveu durante os cinco/seis meses em que esteve à frente da selecção.

 

 

Tudo o que neste momento estamos a fazer é fruto do que aprendemos do Luiz; este é o legado por si deixado. Nós, como equipa técnica, não mexemos em nada, pois em tão curto espaço seria irracional da nossa parte efectuar profundas modificações. Por isso, o meu muito obrigado a ele. Pessoalmente, aprendi muito dele e acredito que as atletas também aprenderam muito”, reconhece o jovem seleccionador.

  • Alexandre Zandamela, em Bamako
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 11:27
 O que é? |  O que é? | favorito
Adelino Almeida

O PRESIDENTE do Clube do Grupo Desportivo da HCB, Adelino Almeida, está desde a segunda quinzena deste mês suspenso por seis meses e deverá pagar uma multa de 14 mil Meticais, por ter alegadamente encabeçado um grupo de adeptos ou simpatizantes para agredirem a equipa de arbitragem, no jogo realizado no relvado 27 de Novembro, com a turma de Chingale, referente a fase de apuramento do representante da província de Tete para a Taça de Moçambique/mcel.

 

O Conselho de Disciplina da Federação Moçambicana de Futebol, na sessão ordinária de 12 de Setembro corrente, depois de analisar o relatório final do Vice-Presidente do órgão, Hélio Sumbane, nomeado instrutor do processo disciplinar sobre os acontecimentos ocorridos no Songo depois do HCB-Chingale, concluiu que o arguido encabeçou um grupo de adeptos ou simpatizantes para agredirem a equipa de arbitragem, pretensão que não surtiu efeitos graças à rápida intervenção da PRM escalada para a protecção do trio de arbitragem.

 

 

O arguido para além de proferir palavras injuriosas contra a equipa de arbitragem, Adelino Almeida organizou em companhia de algumas pessoas uma perseguição à viatura que transportava a equipa de arbitragem, fazendo barreira e pondo em perigo a todos os que ali se faziam transportar. Os factos aqui havidos como provados foram com base na audição do arguido que admitiu ter os praticado”, -lê-se no acórdão 3/CDFMF/2011.

 

 

Segundo o mesmo acórdão, o presidente do Clube do Grupo Desportivo da HCB, Adelino Almeida, cometeu as infracções constantes do relatório final apresentado pelo instrutor do processo disciplinar, cujas penas estão previstas e punidas nos termos da alínea c) nº 1 do artigo 94, e alínea a) do nº 1 do artigo 104 ambos de Regulamento Disciplinar da Federação Moçambicana de Futebol.

 

 

O Conselho de Disciplina da Federação Moçambicana de Futebol puniu igualmente o Grupo Desportivo da HCB por incitamento à violência e perturbação da ordem e disciplina, com uma multa de quatro mil Meticais nos termos da alínea a) nº 1 do artigo 104, do Regulamento disciplinar da FMF em vigor. É condenado a pagar as custas previstas no artigo 127 do Regulamento Disciplinar da FMF no valor de cinco mil Meticais.

 

 

De salientar que os incidentes ocorreram na tarde do dia 14 de Agosto do corrente ano no campo do Estádio 27 de Novembro, na vila do Songo, no jogo referente ao apuramento do representante da província de Tete para a fase zonal da Taça de Moçambique/mcel entre a HCB e o Chingale, onde a equipa da casa foi derrotada por duas bolas a uma a favor do Chingale.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:21
 O que é? |  O que é? | favorito
Frederico Saraiva

A PRIMEIRA jornada do Mundial de hóquei em patins foi muito proveitosa para Moçambique. Para além da equipa ter entrado para o grupo de selecções que se estrearam a ganhar com goleadas, a nível individual também foram colhidos frutos.

 

É que com quatro golos apontados, frente aos Estados Unidos, o avançado moçambicano Frederico Saraiva posicionou-se na segunda posição na lista dos melhores marcadores.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:15
 O que é? |  O que é? | favorito
Ana Flavia

UMA das mais experientes unidades da selecção nacional é Ana Flávia Azinheira, jogadora que tem estado em foco, mercê das suas excelentes exibições. Segundo ela, neste Afrobásquete todas as atletas estão a dar o melhor de si, na perspectiva de mais uma vez proporcionarem alegrias aos moçambicanos, tal como aconteceu durante os Jogos Africanos, apesar de o objectivo das medalhas ter falhado.

 

Temos uma equipa bastaste experiente e com jogadoras que sabem o que querem. Estamos em Bamako com a finalidade de conquistar o título, no entanto, se tal falhar, ou se mesmo não ganharmos nenhuma medalha, não terá sido por falta de brio, de entrega e de competência da nossa parte. Terá sido, isso sim, pela superioridade das adversárias, uma vez que todas as equipas lutam com o objectivo de se qualificarem para os Jogos Olímpicos”, disse Ana Flávia.

 

 

Falhado o objectivo de Maputo, não se sentirão pressionadas a redimir-se?

 

A valorosa jogadora explica que uma coisa não tem rigorosamente nada a ver com a outra, até porque, com o aliciante dos Jogos Olímpicos, os países apostaram forte no Afrobásquete, levando para o Mali as suas estelas mais cintilantes. “Estamos a dar o nosso máximo e, tendo aprendido dos erros cometidos nos Jogos Africanos, estamos mais unidas e acredito que atingiremos os nossos objectivos”, ajuntou.

 

 

  • Alexandre Zandamela, em Bamako
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 11:07
 O que é? |  O que é? | favorito
Maxaquene vs Ferroviario

O MAXAQUENE, actual detentor da Taça de Moçambique/mcel, segue em frente na prova depois de ter ganho, por 1-0, em Nampula ao Ferroviário local, numa partida em que a eficácia resultou. Os “tricolores” vão cruzar-se, nas meias-finais, com o Palmeiras de Quelimane, equipa sensação da prova, que afastou domingo à tarde, na Beira, os “locomotivas” locais.

 

O Ferroviário de Nampula, que já há muitos jogos não perdia no seu terreno, desde que o brasileiro Alex Alves tomou o comando da equipa principal e que ainda tinha no seu guarda-redes, o também brasileiro Caio, que não sofria um golo sequer em partidas oficiais, pode-se queixar de si mesmo, por não ter conseguido transformar em golos as várias oportunidades que teve diante de um adversário que soube sofrer, mas foi eficaz nas ambições que trouxe neste embate. Passar a eliminatória.

 

 

Aos seis minutos, os “locomotivas” que entraram bem para o jogo poderiam ter chegado ao golo num lance em que numa triangulação bem merecida entre Binó, Massaua e Carvalho não deu em golo, por intervenção oportuna de um defesa “tricolor” que aliviou o esférico para canto. Três minutos depois, Binó tem um remate à meia distância que não deu em golo porque Soarito apareceu a defender apertado para canto.

 

 

O Maxaquene viria a acordar e entrar no jogo apenas aos trinta minutos, quando Genito, num lance genial tira três adversários “locomotivas” pela frente e remata forte já com o guardião contrário batido, aparece Hipo a aliviar, numa jogada em que Hélder Pelembe, na insistência vê o seu remate a rasar o poste da baliza defendida por Caio. Aliás, este foi o momento em que os “tricolores” estiveram na mó de cima e poderia ir ao intervalo com um golo marcado.

 

 

No reatamento, o Ferroviário de Nampula entrou a pressionar e Massaua, endiabrado, aos 53 minutos, passou por três adversários, já na linha do fundo cruzou para o interior da área e, quando se pensava que Carvalho tinha tudo para fazer o golo, permite o alívio de Payó.

 

 

Sankhani, aos 55 minutos, remata forte fora de área para uma defesa apertada de Soarito e Dondo, na marcação de um livre no segundo poste e Tchitcho, também assistia seu remate a ser defendido por Soarito, momentos em que o Ferroviário de Nampula poderia matar o jogo.

 

 

Mas porque quem não marca acaba sofrendo, o Ferroviário de Nampula acabou pagando mal, quando aos 70 minutos num lance sortido e de fora de área faz o primeiro e único golo da partida, tento que lançou os “tricolores” para mais um jogo ofensivo, tendo Payó rematado forte para a defesa apertada de Caio para canto.

 

 

O Ferroviário entrou em pânico e correu atrás do prejuízo perante um adversário que com a experiência que tem, neste tipo de competições, não poderia deixar o pássaro voar em direcção alheia, numa partida dirigida por António Massango e auxiliado por Arsénio Marrengula e Abibo Adinane que realizaram um bom trabalho.

 

 

FICHA TÉCNICA:


Ferroviário de Nampula Caio; Hipo, Mambucho, Calanga, Dondo e Nelinho (Edmundo), Tchitcho, Zuma (Sankhani) e Massaua, Binó (Henriques) e Carvalho.

 

Maxaquene Soarito; Campira, Gabito, Vasil e Eusébio, Payó, Reginaldo, Betinho e Hélder Pelembe (Manuelito), Macamito (Alvarito) e Genito (Kito).

  • Luís Norberto
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 10:51
 O que é? |  O que é? | favorito
Bruno Pimentel

FALANDO em conferência de Imprensa no final da partida diante dos EUA (10-1), Bruno Pimentel, capitão da Selecção Nacional, admitiu que era obrigatório vencer os Estados Unidos de modo a encarar Angola com mais confiança.

 

Todos viemos aqui para ganhar. Temos noção das dificuldades que vamos encontrar nos desafios que se seguem. Espero que esta vitória tenha sido um bom treino para o nosso colectivo”, afirmou.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:43
 O que é? |  O que é? | favorito
Violência no Portugal-Angola

A PRIMEIRA parte do jogo entre Angola e Portugal terminou da pior forma com Humberto “Big” Mendes a agredir Valter Neves seguindo-se várias cenas de violência lamentáveis no desporto, sujando assim a boa imagem da selecção angolana.

 

No início da segunda parte, os árbitros acertaram as contas, expulsando Humberto “Big” Mendes e Vítor Hugo Pinto. Entretanto Valter Neves regressava ao banco de suplentes lesionado perante os protestos dos dirigentes angolanos que, aparentemente, queriam tentar agredir também os árbitros da partida.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:38
 O que é? |  O que é? | favorito
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
17
18
23
24
25
26
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO