Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 28 DE Abril 2011

 

 

Logotipo do COJA

O Governo decidiu aumentar o orçamento do Comité Organizador dos Jogos Africanos, COJA, que anteriormente havia conhecido um corte de 60 milhões de dólares.

 

 

Inicialmente o COJA tinha um orçamento de cerca de 250 milhões de meticais para a realização dos X Jogos Africanos. O orçamento viria a ser reduzido para cerca de 193 milhões devido a crise financeira. No entanto, parece que o Governo reconheceu o risco que o corte representa, por isso, esta terça-feira e em Conselho de Ministros decidiu aumentar o orçamento do COJA:

 

O valor a acrescentar não foi, por agora, divulgado mas está no Orçamento do Estado rectificativo elaborado pelo Governo.

 

Refira-se que o corte do salário deixou, principalmente, as federações desportivas preocupadas porque algumas tiveram cortes nos seus orçamentos de preparação de atletas para os jogos, mais do que a metade. A federação mais afectada é a de futebol que viu seu orçamento reduzir de 24 milhões de Meticais, para oito.

 

 

Fonte:O Pais

publicado por Vaxko Zakarias às 15:12
 O que é? |  O que é? | favorito

 

canoagem em chidenguele

 

A FEDERAÇÃO Moçambicana de Vela e Canoagem (FMVC) passou a contar desde terça-feira com 34 barcos de competição à luz de um acordo assinado com a Confederação Africana de Canoagem e o COJA no âmbito da realização dos Jogos Africanos a decorrerem na cidade do Maputo de 3 a 18 de Setembro próximo.

 

O mesmo acordo prevê a oferta de uma pista completa composta por cabos e bóias e o envio ao país de seis técnicos para a montagem e ensaio da pista durante cerca de 15 dias.

 

Ainda dentro do quadro das responsabilidades da confederação africana da modalidade ficou acordado que deverá custear as despesas de aluguer de barcos a motor que irão permitir a deslocação dos técnicos que farão a montagem da referida pista.

 

Por seu turno, a FMCV e o COJA comprometem-se a garantir o desalfandegamento dos materiais desportivos em alusão, o transporte e o armazenamento. Devem igualmente garantir todas as obras de engenharias necessárias para a instalação da pista, como a casa de barco, vestiários, pontões dentre outros trabalhos.

 

O documento estabelece ainda que cabe às agremiações a tarefa de garantir o alojamento, alimentação e o transporte ao local dos técnicos, bem como disponibilizar dois barcos parta montagem da pista e quatro para apoio a competição.

 

A FMVC a parte mais beneficiada, representada pelo vice-presidente, Décio José, que mostrou-se muito satisfeito com a oferta do material. “Precisávamos deste impulso para iniciarmos o nosso trabalho mais competitivo. Ainda não tínhamos uma pista que nos permitisse treinar de forma mais adequada e de encontro a realidade da modalidade de alta competição”.

 

Por outro lado, o presidente da Confederação Africana, João Costa Alegre, disse estar animado pelo facto da canoagem fazer parte dos Jogos Africanos e pelo facto de a competição realizar-se pela primeira vez num país lusófono. “O facto deste grandioso acontecimento decorrer em Moçambique, um país lusófono, agrada-me. A Confederação de Canoagem continuará a dar todo o apoio necessário para que a modalidade em Moçambique seja uma realidade e venha para ficar”.

 

Já Solomone Cossa, director geral do COJA, disse que este apoio serve de estímulo para a canoagem que apesar de ser um desporto pouco conhecido, fará parte dos Jogos Africanos na esperança de que venha a consolidar-se no futuro para dar alegrias ao país.    

Refira-se que a lagoa de Nhambavale, no posto administrativo de Chidenguele, na província de Gaza, será palco das provas de canoagem.

Nesta altura a selecção prepara-se com 13 atletas.
Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 14:54
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

Clube Ferroviario do Maputo

O FERROVIÁRIO do Maputo descarrilou ontem na Beira, ao perder diante do seu homónimo, por 0-2, na conclusão da sétima jornada da primeira volta do Moçambola-2011. Enquanto isso, o Maxaquene consolidou a liderança da prova, já com mais três pontos em relação à dupla tetense Chingale e HCB.

 

 
A Liga Muçulmana, por sua vez, foi a Xinavane arrancar três preciosos pontos, ao vencer, por 1-0, o Incomáti. Os “tricolores” passaram a somar 17 pontos, a Liga Muçulmana pulou do sétimo para o quarto lugar com 11 pontos, os mesmos do quinto, Desportivo, que perdeu domingo frente ao Vilankulo. Os “locomotivas” beirenses, que à entrada para esta ronda estavam em último lugar, passaram para o décimo primeiro, com sete. 
Fonte:Jornal Noticias

 

 

 

 
 
publicado por Vaxko Zakarias às 14:45
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Clube de Desportos da Maxaquene

 

 

O ALUCINANTE futebol do Maxaquene deixou o adversário completamente atarantado. O Ferroviário de Nampula, que havia montado uma estratégia defensiva que inicialmente dava a entender ser bastante segura e impenetrável, acabou cedendo e os seus jogadores até vestiram a camisola… “tricolor”. 

 

 

Senão vejamos: no lance do primeiro golo o central Stélio desvia claramente a trajectória do esférico, após um livre bem executado por Gabito; no segundo, mérito inteirinho para Liberty, que desferiu um autêntico canhão praticamente a meio do meio-campo, mas David estava ligeiramente adiantado na sua baliza; já no terceiro, meus senhores, o “frango” foi da inteira responsabilidade do guarda-redes, na sequência de um forte remate rasteiro de Kito.

 

Ora, tendo em conta estes factos e considerando que, na presente sétima jornada, à excepção da Liga Muçulmana, que foi ontem a Xinavane derrotar o Incomáti, os outros tradicionais candidatos ao título, nomeadamente Ferroviário, Costa do Sol e Desportivo, perderam, é lícito concluir que todos acabaram por jogar para o Maxaquene, que, face aos “locomotivas” nampulenses, manteve a mesma bitola, isto é, um futebol veloz, toques à primeira e constantes mudanças de flanco, para além de um aprimorado trabalho técnico que o adversário não teve chance de ripostar.

 

Confessamos que os nortenhos, que efectuaram o primeiro desafio após a chicotada psicológica que ditou o afastamento de Mussá Osman, entraram com uma rede defensiva a partir do meio terreno contrário, precisamente para não oferecer muito campo de manobra ao seu oponente. Com o veterano Nelinho a comandar as operações na zona nevrálgica, até Chana e Patrick, os dois homens do ataque, participavam nas acções de fechar as saídas maxaquenenses.

 

Todavia, não passou de sucesso efémero, com o agravante de ter tido um duro revés: a saída forçada de Chana, primeiro, e depois de Hipo, ambos por lesão. É verdade que os “tricolores” enfrentaram dificuldades para lidar com a defesa à zona, já que falhavam as infiltrações por intermédio de Betinho e de Reginaldo, mesmo com o esférico bem elaborado cá atrás e no meio-campo, porém, a partir da altura em que aconteceu o primeiro golo, com a intervenção do agora inevitável Gabito – um central e tantos -, tudo passou a ser mais claro para a equipa de Arnaldo Salvado.

 

Os “tricolores” explanaram o seu futebol pragmático e envolvente, com a participação de todos os integrantes da equipa. Aliás, é incrível como o Maxaquene ataca e defende num bloco coeso e participado, ora do lado direito, ora do esquerdo ou então do corredor central. Mais: a espontaneidade de alguns jogadores confundiu os adversários, sendo disso exemplo os golos de Liberty – um golão de primeira categoria – e de Kito, praticamente sem ensaio.

 

O árbitro podia merecer nota alta, só que não lhe perdoamos algumas hesitações que, mesmo não influenciado o desfecho da contenda, não tinham razão de ser.

 

FICHA DO JOGO:


Árbitro: João Armando, coadjuvado por Adão Chitache e José Mhula. Quarto árbitro: Virgílio Absalão

 

MAXAQUENE – Soarito; Vasil, Campira, Gabito e Eusébio (Payó); Macamito, Kito, Mfiki (Manuelito) e Liberty; Betinho e Reginaldo (Filipe)

 

FER. NAMPULA – David; Hipo (Marius), Stélio, Mambucho e Dondo; Paúnde, Nelinho, Tchitcho (Venâncio) e Edmundo; Chana (Binó) e Patrick

 

Acção disciplinar: cartão amarelo para Edmundo, Betinho e Marius

 

Golos: 1-0, Stélio (23 min.), na própria baliza; 2-0, Liberty (55 min.); 3-0, Kito (66 min.)
  • Alexandre Zandamela
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 10:21
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Ferroviario da beira

 

A ANSIEDADE dominou os minutos iniciais em ambos os conjuntos. Os donos da casa pareciam mais competentes, mas os visitantes é que chegaram primeiro com algum perigo à baliza adversária.

 

O treinador do Ferroviário do Maputo era o homem mais impaciente do dia, ao ver os seus pupilos a falharem várias oportunidades de golo diante de um Ferroviário da Beira que não estava no seu dia, sobretudo nos sectores defensivo e atacante, mas praticava um bom futebol no meio-campo.

 

Transcorridos 20 minutos, os visitantes começaram a fazer uma pressão assustadora, mas foi sol de pouca dura, porque os beirenses procuraram sempre contrariar o adversário, só que eram infelizes na concretização, com Félix e Zicco a não atinarem com a baliza.

 

Na etapa complementar a história repetiu-se, com as duas formações mais tímidas, mas com o Ferroviário da Beira mais adulto, ao ponto de, no minuto 76, Michael efectuar um belo cruzamento, numa altura em que os defesas e o guarda-redes visitantes estavam distraídos, pensando que Steven estava em posição irregular. Este não precisou de muito esforço e tocou subtilmente a bola que lentamente foi morrer no fundo da baliza defendida por Pinto, devolvendo a alegria aos locais.

 

Os beirenses já estavam moralizados e procuraram provar a sua superioridade, facto que veio a resultar no minuto 86. Mais uma vez, o zimbabweano Michael fez um cruzamento e Nené o resto. Era a primeira vitória do Ferroviário da Beira no Moçambola-2011.

Quanto à arbitragem, mesmo com algumas falhas, em nada influenciou no resultado.

 

FICHA TÉCNICA


Árbitro: Dionísio Dongaze, auxiliado por Mário Albino e Daniel Calavete. Quarto árbitro: Gimo Patrício

 

FER. BEIRA – Gervásio I; Gervásio II, Ninito, Chico e Faife; Nené, Óscar (Jerry), Timbe (Aulito) e Michael; Félix (Steven) e Zicco

 

FER. MAPUTO – Pinto; Butana, Fred II (Jotamo), Chico e Fred I; Whisky, Dário e Vling; Sonito (Aníbal), Amílcar (Kaclid) e Luís

 

Acção disciplinar: cartão amarelo para Jotamo, Butana, Fred I e Michael

 

Golos: 1-0, Steven (76 min.); 2-0, Nené (86 min.)

  • Eduardo Sixpence
Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 10:02
 O que é? |  O que é? | favorito

 

COPA COCA-COLA - Chókwè goleador em Gaza

 

 

COM o entusiasmo e calor que lhe são peculiares, a Copa Coca-Cola está agora em Gaza. A rapaziada local está eufórica e ontem compareceu em massa no campo do Ferroviário de Xai-Xai, onde se viveu uma grande festa a marcar o início da fase provincial. Das quatro partidas realizadas, destaque para a goleada infligida pela Escola Secundária de Chókwè à sua congénere da Macia por cinco bolas sem resposta, transitando tranquilamente para a etapa seguinte.

 

Competitiva, a prova em Gaza está a ser objecto de grande interesse e a mobilizar verdadeiras claques que do princípio ao fim puxam pelos seus colegas. Nos outros embates dos quartos-de-final, Escola Secundária de Chicumbane bateu Manjacaze por 3-0, no desempate através de pontapés da marca de grande penalidade, após igualdade a uma bola no final do tempo regulamentar; Inhamissa levou de vencida Tavene por uma bola sem resposta e Graça Machel derrotou Mabalane por 3-2.

 

Hoje, os ânimos estarão ao rubro, pois as meias-finais, como se sabe, são a porta para se chegar à almejada final. No primeiro embate, frente-a-frente teremos Chicumbane e Inhamissa, para, a seguir, se defrontarem Graça Machel e Chókwè.

 

Em relação aos femininos, tomam parte na Copa Coca-Cola gazense as Escolas Secundárias de Mabalane, John Issa, Tavene e Chibuto. Hoje, Mabalane joga com Tavene e John Issa terá pela frente Chibuto.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 09:52
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Sporting-de-Nampula.

A DISPUTA do Campeonato Provincial de Futebol de Nampula, o “Nampulense 2011” que esta época é realizada em três zonas, ficou amputada com a não realização da partida entre o Hospital Central e a Casa Issufo, devido a uma atitude irreflectida, desdenhosa e até lamentável, dos dirigentes da actual direcção do Sporting de Nampula, que proibiu inexplicavelmente, a efectivação deste jogo que havia sido marcado para o Estádio 25 de Setembro, colocando para o efeito uma viatura no meio do recinto do jogo.

 

 

Segundo os actuais dirigentes da direcção leonina, liderados por António Uacueia, esta foi a forma ideal de forçar a equipa do Hospital Central de Nampula para contribuir no pagamento das despesas de limpeza e vistoria do Estádio 25 de Setembro, campo indicado pelas três equipas como “seu” quando jogam em casa no presente campeonato.

 

A atitude não só causou estranheza e até certo ponto repúdio por parte dos desportistas nampulenses, questionando-se até que ponto o Sporting de Nampula tem poderes legitimados para impedir a realização de uma partida oficial de futebol ou qualquer outro evento naquele recinto que não é sua pertença, mas sim do Conselho Municipal local que neste caso nem foi chamado a dirimir este imbróglio que ainda vai fazer correr muita tinta.

 

Pese embora este triste episódio, outras partidas do “Nampulense 2011” que haviam sido agendadas para o passado fim-de-semana, a turma primo divisionária do Corredor De Desenvolvimento do Norte (CDN Futebol Clube), pela zona B, surpreendentemente, lidera a prova com um total de quatro pontos, venceu o Sporting por duas bolas a uma. Nesta zona, com três pontos cada seguem Hospital Central, Sporting e o Benfica; Casa Issufo com apenas um ponto.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:38
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Gil Carvalho, editor desportivo

A PARALISAÇÃO da actividade dos jornalistas, em 1990, foi um dos marcos negativos de que o jornalista Gil Carvalho guarda na memória, facto que, na sua óptica, aconteceu por falta de sensibilidade do patronato e da própria direcção daquele que foi um jornal de leitura obrigatória na praça.

 

 

Gil Carvalho explica que se tratou de uma greve que até certo ponto dividiu repórteres e editores e criou um mal-estar, dada a forma como o processo foi conduzido. Na verdade, a intenção era mesmo pressionar o patronato a fim de resolver os problemas que afectavam os escribas.

 

 

Quando os editores tomaram conhecimento de que a greve se avizinhava, exigiram muita produção e ficaram com sobras.

 

Enquanto estávamos a fazer a greve, publicavam alguns dos textos com os nomes dos autores, como se nada estivesse a acontecer, numa clara atitude de fragilizar a luta da classe. Ademais, teriam obrigado alguns colegas, embora poucos, a traírem a causa boicotando a paralisação laboral”, disse Gil Carvalho.

Ainda nas recordações negativas, o nosso interlocutor realça a extinção do jornal de parede, uma espécie de chamariz que com ela a empresa saía a ganhar.

 

Na minha óptica, a extinção do jornal de parede foi uma decisão errada. Aquele era um espelho publicitário dos nossos conteúdos. Se formos a ver, até aos dias que correm nem todos os potenciais leitores têm o poder de compra”, lamentou a nossa fonte.

Quando Carvalho entra para a Redacção do Notícias vivia-se ainda a era de chumbo.

 

Uma fase em que o trabalho era v mais difícil, tendo em conta que nem os próprios jornalistas, sobretudo os principiantes, percebiam como proceder para que o jornal saísse à rua no dia seguinte. 

 

Era um emaranhado de letras viradas. Difícil era fazer a relação delas com o jornal que sairia no dia seguinte. Era igualmente difícil para um jovem jornalista discutir a disposição do material quer dos textos quer das fotografias com os homens que lidavam com o chumbo que, por sua vez, achavam que os outros, sobretudo jovens, não entendiam nada da matéria”, disse Carvalho.  

 

O vazio deixado por grande parte de colegas que o receberam nos seus primeiros anos de trabalho é outro aspecto que ficou na memória de Gil Carvalho. “A doença que acometeu o mestre Benjamim Faduco e a morte de colegas que me receberam vindo ainda da Escola de Jornalismo e ajudaram-me a crescer profissionalmente é algo de realce neste momento. Falo dos saudosos Albuquerque Freire, Ângelo de Oliveira, António Muiambo, Hilário Cossa e Atanásio Dimas. Penso que encontrei aqui uma equipa coesa com a qual me senti bem e cresci muito profissionalmente”, sublinhou Carvalho.  

 

Sobre o “Notícias” que encontrou na época, Carvalho compara-o a uma bíblia para um religioso que se preza. Ele tem obrigação de ler. “O ‘Notícias’ entanto que sociedade era uma espécie de bíblia. Não havia jornais na praça, exceptuando o ‘Diário de Moçambique’, editado na Beira. Nessa altura o jornal era tudo para todos, o único veículo de informação diária que as pessoas tinham com a vantagem de ser um documento histórico e, à partida, arquivado. O ‘Notícias’, como sociedade, era uma espécie de igreja onde todos tinham que ir. Toda a gente tinha que o ler, porque ou lia o ‘Notícias’ ou nada lia”, salientou o nosso entrevistado.

 

 

A passagem da fotografia impressa para a digital foi um ganho inquestionável, mas veio quebrar a memória do Jornal em termos de arquivo. “Praticamente não temos um arquivo em termos fotográficos e isso choca-me bastante. Posso precisar de ilustrar um evento desportivo acontecido há dois, três anos e não encontrar nada. Com este andar, daqui a cinco anos não teremos história”, desabafa Carvalho.  

 

 

A passagem para o jornal a cores é um marco bastante importante e de salientar na positiva. “Nesta empresa não se aceitam mudanças com facilidade. Mesmo a saída das máquinas de escrever para a informatização foi um processo que levou muito tempo. Mas as coisas começaram a ser feitas com mais facilidade que antes e hoje é interessante para mim ter testemunhado essas fases”, afirmou Carvalho.

Gil Carvalho diz ter valido a pena fazer parte dos quadros da empresa embora a sua vinda tenha sido uma imposição na altura, em que as colocações para o emprego eram feitas a partir dos estabelecimentos de ensino.

  • Anabela Massingue
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 09:26
 O que é? |  O que é? | favorito
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
16
17
22
23
24
25
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO