Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Segunda-feira, 18 DE Abril 2011

              J
  V
  E
  D   G Pts

  Maxaquene               6   4   2   0   11-4 14
  Chingale de Tete               6   4   1   1   7-4 13
  Desp. de Maputo
              6   3   2   1   6-3 11
  HCB de Songo               6   3   2   1   4-3 11
  Fer. de Maputo               6   3   1   2   9-7 10
  Costa do Sol               6   3   1   2   4-5 10

  Liga Muçulmana               6   2   2   2   6-5 8
  Fer. de Nampula               6   2   1   2   12-8 7
  Incomáti
              6   2   1   3   5-8 7
10º   Sporting da Beira
              6   2   1   3   4-8 7
11º   Matchedje               6   2   0   4   8-10 6
12º   At. Muçulmano
              6   1   1   4   4-10 4
13º   Vilankulo FC
              6   1   1   4   3-5 4
14º   Fer. da Beira
              6   0   5   1   2-3 4

 

 

Fonte:O Pais

publicado por Vaxko Zakarias às 11:02
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

 

maxaque vs ferroviario

A LIGA Muçulmana, actual campeã nacional, vai de mal a pior no Moçambola-2011. Depois de ter empatado sem abertura de contagem na Beira, na jornada anterior, os “muçulmanos” perderam sábado, em casa, por uma bola sem resposta, frente ao Costa do Sol, em partida da sexta jornada da primeira volta.

 

 
 

O Maxaquene, por sua vez, continua a liderar a prova fruto do empate ontem com o Ferroviário de Maputo a um tento. O Chingale foi a Nampula arrancar ao Ferroviário local três preciosos pontos ao vencer por 2-1, o mesmo acontecendo com o Desportivo que na sua deslocação ao terreno do Incomati ganhou por 2-0. O Atlético Muçulmano recebeu e bateu o Vilankulo FC conseguindo desta forma a sua primeira vitória na prova. O Matchedje, na sua deslocação à Beira, ganhou por 1-0 ao Sporting.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:44
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Guarda-redes Abú vital na vitória “canarinha

A CRENÇA e a motivação haviam se esgotado, pois todos trunfos e truques haviam sido explorados o suficiente em ambas as partes. Mas, os golos não apareciam. Porém, para o gáudio “canarinho”, Tó fez o que menos se esperava, aos 87 minutos, na única vez que venceu a luta que lhe era imposta por Mucuapel. Foi um golpe de mestria pois o “tiro” de Tó saiu bem colocado. Nelinho não teve hipóteses de reagir.

 

 
 

O Costa do Sol não soube tirar proveito da superioridade numérica de que muito cedo beneficiou com a expulsão de Paíto, por “cotovelar” Dito, aos seis minutos. O lateral esquerdo “canarinho” perdeu por algum tempo os sentidos e foi substituído.

 

Portanto, muito cedo o jogo se transformou num duelo interessante que foi ganhando intensidade ao longo do prélio. Os choques tornaram-se inevitáveis, com algum anti-jogo à mistura, e como consequência disso o Costa do Sol sofreu duas baixas com a lesão de Mambo. Os “canarinhos” ficaram, desse modo, despidos de duas pedras preponderantes e em sectores fulcrais, tendo em conta que Mambo era a “cortina” à frente dos “centrais”, inibindo penetrações através do corredor central. Esta situação exigiu do técnico zimbabweano, David Mandigora, uma reposição à altura de corresponder às expectativas e circunstâncias do jogo.  

 

A Liga Muçulmana, por seu turno, não chegou a ressentir-se tanto da ausência de Paíto, pois Artur Semedo soube adaptar à circunstância um sistema que trouxe equilíbrio. Do clássico 4x4x2, a Liga passou a 4x3x2, conferindo à equipa o poder defensivo e ofensivo, mas foi necessário um esforço extra dos jogadores e, com esta estratégia, a turma “muçulmana” conseguiu manter a dinâmica que vinha imprimindo.
 

Pelo contrário, o Costa do Sol teve muitas dificuldades para romper o último reduto “muçulmano”, face ao rigor defensivo e postura evidenciadas sobretudo por Aguiar e Mucuapel, que faziam a dupla de centrais. Foi nesta conjuntura que a Liga conaseguiu alguns lances de bola próximo da grande área. Num dos livres batido aos 11 minutos, Momed Hagy não soube aproveitar a sobra, rematando desenquadrado com a baliza escancarada. Noutro lance de bola parada, Mayunda ganhou remate que forçou o guarda-redes Abu a grandes reflexos. Segurou o esférico quase a atravessar a linha de golo, aos 19 minutos.

 

A reacção “canarinha” só se concretizou aos 23 minutos quando Babo desmarcou Rúben que, isolado e com o guarda-redes Nelinho adiantado nos postes, tentou “batê-lo” por cima, mas a bola saiu ligeiramente por cima do travessão.

 

Um pouco mais adiante, Tó e Babo executaram uma perfeita tabelinha para o isolamento do primeiro. Mas Tó não viu a baliza, aos 37 minutos.

A Liga não havia se rendido. Aliás, o jogo estava sendo disputado taco-a-taco, com alternância nas subidas. Mas a Liga é quem detinha melhor abordagem.

 

Diga-se em abono da verdade que o árbitro da partida, Samuel Chirindza, aplicou “um peso e duas medidas” se se tiver em conta que não sancionou algumas entradas perigosas sobre jogadores da Liga Muçulmana em situações ofensivas, com destaque para aquele em que João Mazive deu cotovelada a Muandro em progressão.

 

Mesmo assim, a Liga manteve a sua postura jogando abertamente ao ataque. Jerry, numa confusão na pequena área “canarinha”, a seguir ao pontapé de canto, cabeceou direccionado, mas Abú esticou-se e evitou o golo, aos 46 minutos.

 

O Costa do Sol insistiu nas investidas, mas a defensiva “muçulmana” permaneceu imbatível. Só que, contra todas as expectativas, Tó, encostado à esquerda, ganhou a luta sobre Mucuapel e deu passos para, à entrada da grande área, atirar a visar, aos 87 minutos. Foi o fim do sonho “muçulmano”.

 

O juiz da partida, Samuel Chirindza, não esteve muito bem. Não aplicou a lei quando era necessária, sobretudo nalgumas infracções contra a Liga que mereciam no mínimo cartões amarelos.

 

FICHA TÉCNICA:


ÁRBITRO: Samuel Chirindza, auxiliado por Arsénio Marrengula e Olívio Adriano. O quarto árbitro foi Filimão Filipe.

 

LIGA MUÇULMANA: Nelinho; Silvério, Aguiar, Mucuapel e Mayunda; Micas, Paíto, Momed Hagy e Muandro (Joaquim); Telinho e Jerry (Carlitos).

 

COSTA DO SOL: Abú; João Mazive, Manuelito, Kito e Dito (Jonas); David, Mambo (Gito), Fido e Ruben; Babo (Cheese) e Tó.

 

DISCIPLINA: vermelho directo para Paíto e amarelo para Fido.

  • Salvador Nhantumbo

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:32
 O que é? |  O que é? | favorito


Chingale de Tete

 

A PERSONALIDADE do Ferroviário de Nampula que este ano regressa a maior prova futebolística do país, foi nesta partida hipotecada, tendo em conta que pela antevisão que se fazia desta partida não se esperava um resultado tão humilhante, a ponto de se estar a pedir a cabeça de Mussá Osman que não tem sido feliz nas escolhas que tem feito nos últimos dois jogos em que soma igual número de derrotas, com o agravante desta ser no seu próprio reduto.

 
 

O Chingale foi muito astuto, sabendo que estava a jogar em terreno alheio e com ele todas as hostilidades estavam a seu desfavor, com inteligência soube manter a calmia que lhe convinha para não sair derrotado nesta partida que “a priori” os dava um condão de favoritismo para os “locomotivas” que entraram para o jogo dispostos a resolver a contenda a seu favor.

 

Foi que depois de tanta pressão sobre o seu adversário que o Ferroviário de Nampula quase chegava ao golo, aos sete minutos, num lance em que Chana, o marcado mor da equipa nampulense não consegue fazer o tento que poderia galvanizar a sua equipa para uma vitória convincente. Mas nesta período da partida, quando eram ainda jogados 12 minutos o Chingale ripostou esta tentativa com um  remate forte de Hilário que passou rentinho ao poste da baliza defendida por Marcelino.

 

Patrick poderia ter inaugurado o marcador aos 26 minuto a favor dos locais, vendo o seu remate a embater no corpo do Keeper Joaquim que naquela tarde foi uma pedra no sapato dos avançados dos jogadores do Ferroviário. O golo aconteceu aos 31 minutos contra a corrente do jogo, mas bem elaborado numa jogada de contra-ataque, aparecendo no interior da área Hagy bem posicionado e com benevolência da defensiva contrária a cabecear vitoriosamente para o fundo da baliza a aguarda de Marcelino.

 

Antes do intervalo, o Ferroviário de Nampula poderia ter igualado a partida não fosse uma defesa “in extremis” de Joaquim que jogou a bola para canto.

 

No reatamento, o Ferroviário continuou à procura do golo de empate e andar atrás do prejuízo, com lances dignos de realce mas que pecavam pela falta de finalização dos seus jogadores mais adiantados no terreno com destaque para Patrick, Chana e Edmundo cujos remates não atinavam com a baliza do inspirado guarda-redes Joaquim que defendia a tudo que fosse para o seu trajecto.

 

E mais uma vez o apanágio foi cumprido, porque o Ferroviário não marcava com tantas ocasiões que lhe surgiram, acabou sofrendo um revés, quando aos 71 minutos o jogador tetense Alone marca o segundo golo, matando de vez as esperanças dos locais fazerem uma reviravolta, apesar de aos “locomotivas” terem apontado o seu tento de consolação aos 90 minutos, depois de passar por alguns momentos de apuro quando Fred remata forte e o esférico é devolvido pela trave da baliza defendida por Marcelino, isto aos 87 minutos.

 

Paulo Buque que dirigiu o encontro, auxiliado por Daniel Viegas e Ivo Francisco não tiveram muitas dificuldades, porque também os jogadores facilitaram a sua missão, apesar dos cartões exibidos que foram justos.

 

Ficha Técnica:


Árbitros: Paulo Buque, auxiliado por Daniel Viegas e Ivo Francisco

 

Ferroviário de Nampula: Marcelino; Mabulho, Narciso, Hipo e Abú; Zuma(Binó), Nelinho(Hugo), Edmundo e Paunde; Chana e Patrick.

 

Chingale: Joaquim; Fred, Celso, Louis, Joni e Hagy; Zé, Hilário(Alex) e Paulo(Magaba); Maurício(Manecas) e Alone.

 

Acção disciplinar: amarelos mostrados a Hilário, Paulo, Celso e Magaba do Chingale e Narciso do Ferroviário de Nampula.

  • Luís Norberto
publicado por Vaxko Zakarias às 09:22
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Disputa de bola entre Fred e Macamito (J. Capela)

QUATRO meritórias vitórias, três das quais diante dos candidatos ao título, nomeadamente Costa do Sol, Liga Muçulmana e Ferroviário, fazem do Chingale a formação que melhores dividendos soube colher até à sexta jornada do Moçambola-2011. E, adicionando o triunfo de ontem em Nampula, frente aos “locomotivas” locais por 2-1, os tetenses partem agora para uma ameaça perigosa ao líder Maxaquene, que no “derby” da ronda, perante o Ferroviário de Maputo, empatou a uma bola.

 

 
 

No Estádio da Machava, se os 45 minutos iniciais foram de uma espectacularidade fora de série, com os dois conjuntos a proporcionar um futebol magnífico em todos os aspectos e o público a delirar também face aos golos de Buramo, logo aos três minutos, e de Betinho, aos 21, o segundo tempo foi um autêntico contraste, com a qualidade do jogo a cair drasticamente, daí o empate tenha sido muitíssimo bom para ambos os contendores.

 

Decididamente, quem está a realizar uma campanha para esquecer é a Liga Muçulmana, ora na sétima posição. No sábado, no seu campo, os campeões nacionais caíram aos pés da crença “canarinha”, na sequência de um golo de Tó, mesmo ao apagar das luzes, naquilo que terá sido um valente murro no estômago da equipa de Artur Semedo.

 

Subida vertiginosa e para um lugar realmente de discussão do título registaram Desportivo e HCB. Os “alvi-negros” foram a Xinavane derrotar o Incomáti por duas bolas sem resposta e a turma do Songo ganhou sem ter necessitado de jogar, devido à incompreensível falta de comparência do Ferroviário da Beira, que sábado à noite não embarcou de Maputo para Tete em virtude de ter chegado tarde ao aeroporto.

 

Depois de um começo comprometedor, o Matchedje parece ter encontrado o caminho certo, ao registar a sua segunda vitória, na Beira, frente ao Sporting local, por uma bola sem resposta. Pelo mesmo resultado, o Atlético Muçulmano obteve o seu primeiro triunfo no campeonato, na recepção ao Vilankulo FC.

 

Decorridas seis jornadas, a classificação é liderada pelo Maxaquene com 14 pontos, seguido do Chingale com 13, Desportivo e HCB 11, Ferroviário de Maputo e Costa do Sol 10, Liga Muçulmana oito, Ferroviário de Nampula, Incomáti e Sporting sete, Matchedje seis, e, abaixo da linha de água, Ferroviário da Beira, Vilankulo FC e Atlético Muçulmano quatro.
 
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 09:13
 O que é? |  O que é? | favorito
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
16
17
22
23
24
25
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO