Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 10 DE Março 2011

O CHINGALE de Tete está a melhorar as condições de alojamento e alimentação dos seus jogadores, acomodados no lar da colectividade.

 
 
 

Lourenço Cunha, presidente de Direcção do Chingale, disse que uma vasta gama de acções visando a melhoria das condições para os jogadores, corpo técnico e da própria massa associativa está em curso desde meados de Fevereiro, altura em que o novo corpo directivo do clube tomou posse.

 

 

Havia uma série de problemas que tínhamos de ultrapassar para voltarmos a encontrar um ambiente salutar no balneário do clube. Trabalhámos seriamente para a sua identificação e, hoje, com uma nova Direcção, jogadores, entre outros, estamos a sair destes problemas e os resultados benéficos, como corolário das transformações no clube, estão já a surgir”, disse.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:42
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

Duelo entre “Mambinhas” e alemães, em 2010

 

 

 

A SELECÇÃO Nacional de Futebol de Sub-17 venceu, terça-feira, na Academia Mário Esteves Coluna, na Namaacha, a sua congénere alemã do Estado da Baviera por 2-1, em partida amigável inserida no intercâmbio entre as duas equipas, iniciado no ano passado e que tem como finalidade a troca de experiência.

 
 

As duas selecções voltam a cruzar-se esta tarde, no campo do 1º de Maio, depois da visita dos alemães, esta manhã, ao campo do Albasine, que beneficiou de obras de melhoramento no âmbito do acordo entre as federações moçambicana e da Baviera, através do qual surgiu este intercâmbio.

É na sequência do mesmo acordo que a pequenada afecta à Escola Primária próxima ao campo do Albasine está envolvida no projecto de pesquisa de talentos que posteriormente serão integrados na Academia da Namaacha. O projecto de formação conta igualmente com o apoio dos alemães.

 

Nesse sentido, os germânicos vão enviar mais um técnico que será afecto à Academia da Namaacha, onde trabalhará com o seu compatriota Torsten Spittler, que se encontra no país há sensivelmente três anos a coordenar acções de formação. Spittler tem, para além de pesquisa de talentos, auxiliado os trabalhos das selecções de Sub-17 e de Sub-20

 

Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 09:25
 O que é? |  O que é? | favorito

 

karting em maputo

 

 

 

 

ARRANCA este domingo, no kartódromo do Automóvel e Touring Clube de Moçambique (ATCM), o Campeonato de Karting ATCM-2011. Os pilotos da cidade do Maputo estão mobilizados para a primeira prova do ano a nível desta disciplina do desporto motorizado, com a esperança de atingirem o pódio ao longo da competição.

 
 

A presente edição traz algumas alterações, destacando-se a mudança do nome do campeonato, que no ano passado recebeu o estatuto de carácter nacional, com o objectivo de dar espaço aos demais interessados a nível nacional. Antes, era denominado Campeonato da Cidade e, apesar da mudança de nome, esta prova é basicamente dedicada aos pilotos da capital do país.

 

A outra novidade é que o campeonato vai movimentar sete provas, contra 10 do ano passado. O calendário inclui a Taça, Raides, “Drifts” e “Drag Race”.

 

Entretanto, as inscrições davam números não satisfátorios até ontem, sobretudo nos principais escalões, designadamente DD2 e Max Challenge, onde ainda não havia sido atingido o mínimo de inscritos (seis).

 

A organização previa reduzir a inscrição mínima para quatro, visando assegurar a participação em todos os escalões. Para além destas categorias, está prevista a movimentação dos Max Júnior, Maxterino e GP Júnior.

A concentração dos pilotos começa muito cedo, sendo que os treinos livres acontecerão às 8.45 horas. Os treinos cronometrados, para definir a “pole position” em cada categoria, arrancam às 10.30 horas e as provas uma hora depois.

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:16
 O que é? |  O que é? | favorito
tags:

 

valgy taubo
UM ano depois da eleição dos novos corpos gerentes da Federação Moçambicana de Ténis (FMT), vislumbra-se no horizonte da modalidade alguma esperança de vir a sair da mediocridade nos próximos tempos. Uma das decisões tomadas pela nova Direcção é o relançamento das provas tradicionais, com o destaque para o “Open” de Moçambique - torneio de carácter regional aberto para todos os interessados doutros países -, que constituiu, no passado, um orgulho no seio dos praticantes e amantes da modalidade. 
 
 

O novo presidente da FMT, Valige Tauabo, sonha com um ténis progressivo e à altura de trazer orgulho ao país nas competições regionais. Para isso, aposta na formação da nova geração de tenistas que demonstra alguma qualidade competitiva, mas que precisa de ser lapidada.

A contratação de um técnico de craveira internacional é uma das soluções apontadas para o efeito, bem como a participação dos jovens tenistas em torneios internacionais, processo que foi iniciado no ano passado.

 

Na entrevista que se segue, Valige Tauabo fala de novidades para este ano no contexto competitivo, bem como da preparação da selecção nacional para os Jogos Africanos de Maputo-2011.    

 

Notícias (NOT) – Consta-nos que a FMT dispõe de um orçamento de 2.8 milhões de meticais alocado pelo Fundo do Promoção Desportiva para este ano. Além dos Jogos Africanos, para que acções será destinado este montante? 


VALIGE TAUABO (VT) - Este é um fundo exactamente para a preparação dos Jogos Africanos, mas acaba contemplando outras realizações. No entanto, não chega a ser parte integrante do plano anual da federação, que abarca outras actividades. Este é um valor que se reparte para todo o processo que tem em vista a nossa preparação e participação no evento, nomeadamente a contratação dos técnicos, subsídio dos jogadores, lanches, deslocações, estágios, entre outras acções. Temos um estágio previsto para a África do Sul, em Junho, e será feito no mesmo período para todas as selecções de outras modalidades, a anteceder o “Open” de Moçambique, que era a famosa Taça Joaquim Chissano.

 

NOT - O “Open” de Moçambique passa a ser Taça Presidente. Porquê esta mudança?


VT - Significa manter o espírito desta magna prova, que é o ponto mais alto das realizações da FMT, passando a incorporar todas as figuras que tenham o título de presidente deste país, transitando desse modo de título nominativo para um título cumulativo, para que todas as gerações presidenciais vindouras sejam incorporadas. Mas há uma outra vontade, que carece de autorização de quem de direito. Gostaríamos que a Taça, este ano, fosse dedicada ao saudoso Presidente Samora Machel, porque estamos no ano dedicado a ele. E, tendo em conta o valor que esta figura representa para o povo moçambicano, queremos tentar passar a mensagem, através deste evento, para os atletas nacionais e estrangeiros que se farão presente na prova, sendo um torneio de carácter internacional.

 

NOT - Temos, para além desta competição, outra prova de carácter internacional que tenha sido atribuída pela Confederação Africana de Ténis ou pela ITF?


VT - Sendo este ano de muitas realizações, com destaque para os Jogos Africanos, achamos por bem não assumir outros compromissos visando acolher um torneio internacional sob a égide daquelas instituições. Estava tudo em aberto, mas nós não nos candidatamos.

 

 

CAMINHAMOS GRADUALMENTE

 

tenista
 

NOT - Como vai a preparação da selecção para os Jogos Africanos?


VT - Entanto que plano da FMT, sentimos que estamos a caminhar gradualmente, porque este é um processo que não depende apenas da federação, mas envolve a componente de equipas, que é o próprio Comité Organizador dos Jogos (COJA) e a Missão Moçambique, responsável pela gestão das actividades das selecções nacionais, desde a preparação até à competição. Em termos administrativos, a federação dispões dos seus planos e está a cumprir.

 

NOT - O que existe em termos de condições logísticas e materiais para uma preparação condigna?


VT - Quanto à logística, esta é uma componente que deve ser seguida de forma prudente, porque precisamos de ter os quadros à altura de responder cabalmente a um processo como este. A disponibilidade de fundos é prioritária para a concretização do que está planificado, e existem algumas intervenções que são da responsabilidade de FMT, que é criar condições para o efeito. Nós já recebemos um plano financeiro do Estado, que é para se adequar àquilo que é a nossa planificação/preparação. É claro que o que está disponível não se adequa ao plano prévio traçado pela federação, mas está tudo muito bem e já podemos solicitar com alguma antecedência os meios para atender as nossas actividades. Tem, de vez em quando, havido atrasos na alocação, porque o dinheiro é gerido directamente pela Missão, mas as coisas estão a acontecer e a federação deve se adequar a esta realidade. Então, pode haver um pouco de frustração no período entre a solicitação e a disponibilidade. Mas esta é a nossa realidade e, mesmo assim, as coisas estão a acontecer.  

 

NOT - Quando é que começaram a receber os meios e como é que isso se procede, pois constatamos que a selecção tem estado a reivindicar condições de trabalho, nomeadamente equipamentos e materiais, para além de estímulos? 


VT - Acho que não será neste espaço que vamos desmentir o que os atletas proferiram, pois o que está em causa é aquilo que é a gestão da preparação dos Jogos Africanos. Esta é a primeira vez que temos um evento desta natureza e, numa primeira fase, as federações traçaram os seus planos que acabaram ser inoperacionais devido às condições financeiras levantadas pela Missão. A preparação começou com os Jogos do SCSA e, nessa altura, entre Outubro e Novembro, tivemos um apoio para os atletas que foram para este evento. De lá par cá, só voltamos a ter os apoios em Janeiro e o plano inicial ficou quebrado. Tivemos uma reunião na qual nos informaram que o nosso plano iria se adequar ao que for decidido pela Missão. Isso aconteceu, nós avançamos e, em Fevereiro, alocaram-nos fundos para lanches e transporte dos atletas.

 

NOT – Então, foi este atraso que provocou contestações dos atletas…


VT - Eu acho que não, porque a federação está constantemente em diálogo com os atletas pré-seleccionados. Não posso aceitar que seja por causa da mudança do plano. Tem a ver um pouco com o espírito que reina no desporto, em que uma pequena falha é motivo para ausência total de um conjunto de coisas. Nunca houve falhas, apenas houve certas coisas que nós recebemos no decurso da preparação, e apelamos aos atletas para aguentarem até que haja disponibilidade.

CONCORRÊNCIA ENTRE OS ATLETAS

 

 
 

NOT - Aventa-se a hipótese de o técnico português que prepara a selecção para os Jogos Africanos permanecer ou voltar nos próximos tempos?


VT - Sim, ele está cá por um mês a treinar a selecção para os Jogos Africanos. Trata-se de custos que teremos que equacionar em coordenação com a Missão Moçambique. Isto porque o nosso desejo é que, para além preparar a selecção, transmita os seus conhecimentos aos técnicos. Por isso, ele tem trabalhado directamente com Alberto Nhancale, Emídio Machaieie e outros técnicos nacionais. Seria com muito gosto mantê-lo até aos Jogos, porque é um técnico com qualidade. Tem um currículo muito forte e os atletas estão moralizados com os ensinamentos técnicos e tácticos que estão a ter. Aventa-se a hipótese de o ter de volta porque estamos a notar uma diferença de dia para noite na forma de estar dos nossos tenistas. E há uma forte concorrência entre eles, porque já têm consciência de que só os melhores passarão a ir às competições internacionais, ou seja, acabou o amadorismo no ténis.

  • Salvador Nhantumbo

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 08:56
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

 

Vitor Urbano

 

 

 

CHEGOU de forma discreta e a passar anonimamente. Porém, não é nenhum ilustre desconhecido no mundo da bola, o novo treinador da HCB do Songo.

 
 

Trata-se, isso sim, de um treinador com credenciais firmados no futebol português e que agora procurará ajudar a HCB a atingir patamares mais altos no Moçambola-2011. Seu nome é Vítor Urbano e já está a trabalhar no Songo.

 

Depois de dois anos sob a batuta de Mussá Osman, que este ano regressou ao Ferroviário de Nampula, onde foi campeão nacional e vencedor da Taça de Moçambique, a HCB optou por alargar o seu horizonte, indo buscar um treinador na Europa. A operação foi executada sigilosamente, pois, enquanto na Imprensa se questionava e até se avançavam alguns nomes para a condução da formação do Songo, a Direcção do clube estava com os olhos postos em Portugal e numa figura com muita experiência na profissão.

 

Segundo uma fonte da HCB, ao primeiro contacto entre as partes, Vítor Urbano acedeu de pronto ao convite para, pela primeira vez no seu historial, trabalhar no futebol africano. O que daí se seguiu foi a viagem para o Songo, com uma passagem fugaz por Maputo, isto é, longe dos holofotes da exigente Comunicação Social da capital do país, ora colhida de surpresa com a presença do técnico português à frente da HCB no domingo passado, no campo da Liga Muçulmana, na Matola, frente ao Atlético Muçulmano, no desafio da jornada inaugural do Moçambola-2011, cujo desfecho foi uma igualdade sem abertura de contagem.

 

O novo treinador, cujos objectivos ainda não foram revelados, seguramente está a trabalhar de modo a melhorar ainda mais a classificação da HCB neste seu terceiro ano de convívio com a nata do futebol moçambicano. Aliás, logo na sua primeira aparição no Moçambola, a turma do Songo foi considerada a sensação da prova, ao se apresentar com um time homogéneo, batalhador e com resultados que o colocaram num plano de destaque.

 

Na temporada transacta, mesmo sem o manifestar publicamente, a HCB chegou a ser alistada entre as equipas com possibilidades de chegar ao título, tendo em conta o excelente naipe de jogadores que foi buscar e que emprestaram à equipa uma melhor capacidade de resposta a um campeonato que foi extremamente competitivo. E o resultado disso foi o quarto lugar, atrás da Liga Muçulmana, Maxaquene e Ferroviário de Maputo e à frente de rotulados conjuntos como do Desportivo e do Costa do Sol.

 

Depois da estreia no Moçambhola-2011 com um nulo diante do Atlético Muçulmano, a HCB, na segunda jornada, recebe no domingo, no Songo, o Vilankulo FC, sensação do campeonato do ano passado.

 

Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 08:43
 O que é? |  O que é? | favorito
Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
18
19
20
21
22
26
27
subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO