Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Sexta-feira, 25 DE Fevereiro 2011

golfinhos de maputoO CLUBE de Natação Golfinhos do Maputo, campeão nacional, participa amanhã no Torneio “Suazi Sprints”, organizado pela associação da modalidade daquele país vizinho. O evento insere-se na II edição do “Tri-Nations Gala”, uma espécie de circuito que envolve o Golfinhos e alguns clubes da Suazilândia e África do Sul.

 
 

Anualmente são realizados três torneios, nomeadamente “Golfinhos Sprints”, em Moçambique, Mpumalanga Sprints”, na África do Sul, e “Suazi Sprints”, na Suazilândia, ao fim dos quais são somados os pontos obtidos em cada uma das etapas para o apuramento do vencedor em cada escalão e em ambos os sexos.

 

Os atletas disputam neste evento 22 mil randes e a premiação estende-se até ao terceiro lugar.

 

O evento é de carácter individual - é apenas no “Golfinhos Sprint” que é feito o “ranking” de clubes – tendo em conta que o objectivo do “Tri-Nations Gala” é que os nadadores dos clubes participantes melhorem os seus tempos.

 

Para o torneio agendado para amanhã, que é a etapa final do “Tri-Nations Gala”, o Golfinhos participará com os seus campeões nacionais de categoria e leva 28 nadadores, desde o escalão de formação até ao absoluto.

 

A maior parte destes atletas integra o projecto de talentos do clube e vai lutar para alcançar os mínimos para participar no campeonato sul-africano denominado “SA Age Levels”, a decorrer em Março, e que é disputado por grupos etários. Trata-se de Jéssica Cossa, Justânia e Sassa Francisco, Igor Mogne, Weide Rasse e Elton Mangore.

 

O “Mpumalanga Sprint” foi a primeira etapa deste circuito, seguido do “Golfinhos Sprint”, disputado em Novembro do ano passado. O “Golfinhos Sprint” realiza-se normalmente na semana de 17 de Outubro, que é a data do aniversário do clube. 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 13:41
 O que é? |  O que é? | favorito

Victor MiguelO PRESIDENTE da Associação de Futebol da Cidade do Maputo decretou o fim do populismo no futebol da alta competição ao nível da cidade do Maputo, com a introdução de novos requisitos de participação nas provas oficiais organizadas por aquela agremiação, sobretudo no campeonato principal, na esteira da orientação emanada pela Federação Internacional da modalidade (FIFA), em coordenação com as federações nacionais dos países membros.

 
 

Falando em entrevista à nossa Reportagem sobre o que, de modo geral, será a época futebolística ao nível da cidade do Maputo, Victor Miguel traz algumas novidades do ponto de vista organizacional e competitivo na presente época.

De seguida apresentamos a resenha da entrevista:

 

O que está agendado para a presente época que acaba de começar em termos de competições?

 

Uma vez concluída a Taça de Honra teremos o Torneio de Abertura, que também servirá de rodagem às equipas que vão disputar o Campeonato da Cidade do Maputo. Vamos reunir com os clubes na próxima sessão ordinária para delinear as estratégias e apresentar quais são as obrigações que devem cumprir de modo que não haja atropelos aos requisitos estabelecidos. Só poderão participar no campeonato clubes que estejam em situação legal, ou seja, com o estatutos aprovados, reconhecidos e publicados no Boletim da República. Isso porque partimos do princípio que quem disputa este campeonato deve reunir condições para ascender ao Moçambola.

 

Qual é a expectativa em relação aos clubes. Há esperança de alargamento do número de equipas, tendo em conta os novos requisitos para o ingresso na prova?

 

Em princípio há mais duas equipas que manifestaram o interesse de ingressar no campeonato, que é o caso do regressado Ferroviário das Mahotas e da União FC. Esperamos que este último tenha já reunido estas condições porque não participou na última prova devido ao não preenchimento dos novos requisitos.  

 

Olha, isto é sério, temos que encarar o desporto e o futebol, em particular, com seriedade. Isto não é um torneio de bairro ou recreativo. Trata-se de alta competição. Estamos a preparar as equipas para disputar um campeonato profissional, que é o Moçambola.

Poderá haver alargamento de equipas sim se estas reunirem as condições necessárias, mas caso contrário acabaremos organizando um campeonato reduzido, porque pautamos pela qualidade.

 

O populismo já acabou, pois se continuarmos assim o nosso futebol nunca vai desenvolver. É por isso mesmo que defendemos que aqueles que se apresentarem em melhores condições e que respondam às exigências da FIFA, que de modo geral rege o funcionamento do nosso futebol, são os que vão disputar o campeonato.

 

As condições para o ingresso para o campeonato esgotam apenas na legalização ou há mais?

 

É necessário que, para além dos estatutos aprovados e publicados no Boletim da República indiquem a sua sede e o campo onde vão treinar e efectuar os seus respectivos jogos, sem ter que sermos nós a procurar campos para marcar jogos para uma equipa que se julga da I Divisão. Não! Essa tarefa não é nossa, o clube é que deve trazer o documento esclarecendo, por exemplo, que não tendo campo próprio vai jogar neste ou naquele recinto. Isso para que a associação possa marcar jogos sem qualquer tipo de transtornos. Vamos colocar aos clubes estas condições para poderem assumir com seriedade esta responsabilidade.

 

O que tem a dizer em relação às equipas que participaram no campeonato do ano passado. Haverá ou não desistências?

 

Bom, ainda não há sequer uma desistência anunciada das seis equipas que disputaram a prova do ano passado, nomeadamente Estrela Vermelha, 1º de Maio, Académica, Mahafil, Águias Especiais e Beira-Mar da Catembe. Como me referi, o número poderá crescer para oito, mas com uma forte possibilidade de atingirmos 10 equipas. Se se considerar que há outras manifestações que ainda não foram formalizadas.

 

O que é que se exige realmente nesta altura para que tenhamos um campeonato profissionalizado a nível da cidade do Maputo, tendo em conta que é aqui onde temos maior número de clubes do país?

 

Bom, o básico é a existência legal dos clubes, ou seja, que tenham seus estatutos, para que o público tenha o conhecimento de que eles existem juridicamente. Esta é a primeira condição. A segunda é que devem ter sede, para ficar claro que fisicamente este clube é aqui onde se reúne e discute os seus problemas. Terceiro, é preciso ter órgãos sociais constituídos com as tarefas claramente definidas e que reúnam regularmente em assembleia-geral para debater a vida do clube e, por último, um campo. Não tendo estas condições o clube deixa automaticamente de existir.

 

Tendo em conta que o alcance de todos estes requisitos é o profissionalismo, vai se continuar a jogar no pelado?

 

Bom, o ideal era que todos jogassem em campos relvados, mas, como sabe, mesmo esses campos pelados têm imensas dificuldades de os ter. Se tivéssemos campos suficientes, mesmo pelados, porque há bons pelados, às vezes é melhor num bom pelado do que num relvado mal tratado.

 

Esta é maior dificuldade que temos e este ano a situação poderá piorar, considerando que poderemos ficar sem alguns campos, caso do do Maxaquene da Baixa, que, como deve saber, foi entregue e ao que acompanhámos poderá apenas servir para as camadas de formação. Não temos confirmação, mas parece que o campo do Estrela Vermelha vai entrar em obras e isto vai reduzir cada vez mais os espaços que tínhamos para este grande movimento que estamos a ter ao nível da cidade do Maputo.

 

Para nós já seria bom ter campos mesmo pelados perante a situação que nos encontramos. E os clubes é que deverão resolver este problemas. Aliás, esta exigência de os clubes terem campo próprio visa este objectivo.

PRÉMIOS VÃO MELHORAR

 
 

Temos a Taça de Honra que conta com apoio da SOJOGO e o nosso campeonato. O que existe em termos de estímulo para a moralização das equipas e atletas?

 

Temos um acordo firmado com a empresa GWM, que é o nosso patrocinador oficial do campeonato, mas neste momento não posso adiantar nada daquilo que foram as melhorias em relação aos prémios do ano passado. Mas está certo que haverá melhorias na premiação, quer por vitórias das equipas em cada jogo, quer em relação ao campeão. Portanto, os clubes participantes neste campeonato praticamente não têm despesas, pelo contrário são estimulados e isso tem criado uma certa motivação aos clubes.

 

O que a GMW disponibilizou como premiação e estímulo para os clubes no ano passado?

 

Por exemplo, o campeão em título, que é o Estrela Vermelha, foi premiado com estágio na vizinha África do Sul em preparação para a “poule” de apuramento para o Moçambola da presente edição ao nível da zona sul. Foi lhe custeado as despesas de transporte de todas as fases de apuramento para o Moçambola. Tudo isto corresponde ao prémio do campeão e em termos de custos isso corresponde a um valor elevado. Estamos a falar de perto de um milhão de meticais.

 

Quando fala de premiação por vitória quer se referir a quê?

 

Quero dizer que por cada vitória a equipa terá uma premiação monetária. Assim como ao melhor guarda-redes e melhor marcador, que terão no final de campeonato, para além de um troféu, um prémio em dinheiro.
  • Salvador Nhantumbo
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:32
 O que é? |  O que é? | favorito

O AFROBÁSQUETE-2011, marcado para Agosto, poderá ter como sede o Senegal, uma vez Angola ainda não ter decidido se efectivamente irá ou não acolher o evento em alternativa à Costa do Marfim, país que havia ganho a organização, porém, neste momento a braços com convulsões políticas.

 
 

Jogo entre o Maxaquene e Desportivo de MaputoA Federação Internacional de Basquetebol (FIBA-África) continua de braços atados quanto ao organizador do Campeonato Africano de Seniores Masculinos. Inicialmente a competição tinha sido marcada para a Costa do Marfim, só que, em face da instabilidade política e social que se vive naquele país depois das polémicas eleições de Novembro passado decidiu-se pelo seu cancelamento e abertura de candidaturas para novos países interessados na sua realização.

 

Imediatamente perfilaram Angola, Madagáscar e Tunísia: o primeiro com larga experiência na organização de eventos desta natureza e detentor de infra-estruturas a qualquer momento prontas para o efeito; o segundo apenas com o historial de ter acolhido o Afrobásquete de seniores femininos há dois anos; e o terceiro logo riscado da agenda depois da revolução popular que levou à queda do presidente.

 

Perante estas duas realidades, a FIBA-África, que no mês transacto esteve reunida ao mais alto nível, contando com os presidentes das confederações zonais, inclinou-se mais para a candidatura angolana, até porque estes, no campeonato que organizaram em 2007, se responsabilizaram pelo pagamento das despesas das 16 selecções participantes, facto que aliviou em grande medida a pressão dos países e mesmo do próprio organismo reitor da bola-ao-cesto continental.

 

No entanto, a proposta de Angola ser sede do Afrobásquete-2011, avançada pela respectiva federação, em nenhuma ocasião teve anuência do Ministério da Juventude e Desportos, alegadamente porque era extemporânea. Na sua explicação, o Governo afirma que o orçamento deste ano há muito que foi aprovado e não contempla o Campeonato Africano de Basquetebol, daí ser absolutamente impossível a organização da prova tal como pretende a federação.


Ora, porque o impasse entre Governo e federação prevalece em Angola, numa altura em que faltam escassos seis meses para a prova, o Senegal entrou na corrida e a FIBA-África poderá não ter outra alternativa senão, de facto outorgar, a organização do Afrobásquete-2011 aos senegaleses.

 

Aliás, o próprio organismo continental da modalidade vê-se bastante pressionado face à diversidade de eventos este ano, dado que, para além do campeonato de masculinos decorrerá o de femininos em Outubro, no Mali, assim com os X Jogos Africanos de Maputo-2011, cujas eliminatórias zonais já estão em curso.

 

Recorde-se que, por mérito próprio, Moçambique conquistou o direito de disputar o Afrobásquete-2011, depois de vencer a qualificação da Zona VI. Outros países apurados são: Angola, campeã em título, Costa do Marfim, então país organizador, Tunísia, Camarões, Senegal, Mali, Marrocos, Nigéria, Togo, República Centro-Africana, Chade, Egipto e três convidados que sairão do grupo composto pelo Ruanda, RD Congo, Argélia, África do Sul e Cabo Verde.

Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:28
 O que é? |  O que é? | favorito

O MINISTRO da Juventude e Desportos, Pedrito Caetano, exonerou ontem Teófilo Nhangumela do cargo de director-adjunto para a Área Administrativa do Comité Organizador dos X Jogos Africanos de Maputo-2011.

José Salomone Cossa ao centro
 
Nhangumela encontrava-se a trabalhar no COJA desde a sua constituição, em 2009, exercendo a função de director adjunto juntamente com Penalva César, que responde pela área desportiva. Neste momento o director-geral é José Salomone Cossa.

Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:24
 O que é? |  O que é? | favorito

AS INTENSAS chuvas que caíram no início deste mês de Fevereiro e o atraso na entrega dos campos para a vistoria são os dois factores principais que estão a comprometer o calendário futebolístico desta temporada, na Zambézia. O vice-presidente para a alta competição da Associação Provincial de Futebol da Zambézia, Cesário Matos, disse que o seu organismo está agora a correr atrás do tempo para acertar o calendário, de modo a não colidir com as datas indicadas pela Federação.

 
 

Matos afirmou que haviam sido fixadas datas para o início das competições oficiais, nomeadamente Supertaça provincial, a 6 de Fevereiro, mas, dois dias antes, caiu muita chuva que alagou os campos, sendo impraticável a marcação do jogo. Além deste factor, ele, os clubes, nomeadamente Ferroviário e Sporting de Quelimane, Morrumbala FC e Ferroviário de Mocuba não tinham ainda entregue os campos para trabalhos de vistoria. 

 

Já estão filiados 11 clubes, mais dois em relação à temporada passada. Os novos ingressos são Ferroviário de Mocuba e Benfica de Quelimane, que se juntam ao Ferroviário, Sporting, Liga Muçulmana, Vila Pita, Gumula FC, Matchedje, 3 de Fevereiro, Palmeiras e Morrumbala FC.


Entretanto, o Torneio de Abertura poderá arrancar amanhã. A prova, que terá o concurso de seis formações, será disputada numa volta. Tomarão parte Sporting, Matchedje, Gumula FC, Ferroviário de Quelimane, Vila Pita e Liga Muçulmana.

 

Informações em nosso poder indicam que razões financeiras estão por detrás da não participação no Torneio de Abertura por parte das outras equipas. Os recursos de que dispõem serão aplicados para suportar as despesas decorrentes da sua participação no Campeonato Provincial.

 

Muitas equipas já estão a trabalhar na preparação da nova época. A contratação de novos jogadores para os seus planteis é algo visível, porquanto há muitas caras novas à procura de um lugar ao sol, e os treinadores estão a trabalhar na selecção criteriosa dos jogadores.

Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 12:12
 O que é? |  O que é? | favorito
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
19
20
21
26
27
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO