Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Segunda-feira, 19 DE Julho 2010

POR vezes, o assim-assim que tem estado a caracterizar a carreira “canarinha” resulta em desfechos francamente surpreendentes. Depois de a formação do zimbabweano David Mandigora ter derrotado o líder Ferroviário de Maputo por 3-1 e, a seguir, afastado da Taça de Moçambique a Liga Muçulmana, mercê do triunfo por uma bola sem resposta, agora foi a vez de, categoricamente, vencer a HCB de Songo por 4-0, com David, compatriota do treinador, a fazer um “hat trick”, depois de Josimar ter aberto o marcador.



Foi uma tarde extraordinariamente rica para o Costa do Sol, pois a fome de golos que tinha acabou resultando em fartura e fazer com que a equipa subisse alguns degraus na tabela classificativa, embora a questão do título seja uma miragem há já muito tempo, pois dificilmente pode superar os 16 pontos de vantagem em relação ao comandante da prova.

Apesar de tudo, um facto digno de registo: os “canarinhos”, curiosamente, em curto espaço de tempo ganharam a três equipas do topo da tabela, mesmo considerando que diante da turma de Artur Semedo foi para uma outra competição. No início da segunda volta do Moçambola-2010, a 14ª jornada, vincou a superioridade do Ferroviário de Maputo, Liga Muçulmana e Maxaquene a jogarem na condição de visitantes.

Os campeões nacionais bateram o Vilankulo FC por 2-1, os “muçulmanos” foram a Soalpo derrotar o Textáfrica por uma bola sem resposta, o mesmo resultado conseguido pelos “tricolores” no Estádio 25 de Junho, em Nampula, face ao Ferroviário de Pemba. Enquanto na Beira o Sporting local também primou pela fartura, na capital do país, Desportivo e Matchedje preferiram os serviços mínimos.

Os “leões” golearam o Atlético Muçulmano por 4-1 e, pelo mesmo “score” de 1-0, os “alvi-negros” e “militares” venceram FC Lichinga e Ferroviário da Beira, respectivamente. Ferroviário de Maputo mantém o comando e a margem de dois pontos (33-31) em relação à Liga Muçulmana, que vai na segunda posição.

A seguir, Maxaquene é o novo terceiro classificado com 25 pontos, vindo depois HCB de Songo com 24, Desportivo 20, Sporting da Beira e Matchedje 19, Ferroviário da Beira 18, Costa do Sol e Vilankulo FC 17, Textáfrica 15, FC Lichinga 11, Atlético Muçulmano 10 e Ferroviário de Pemba oito pontos. Na 15ª jornada, as atenções estarão viradas para o sempre aliciante “derby” entre Maxaquene e Desportivo, marcado para sábado, enquanto no domingo se realizam os embates Ferroviário de Maputo-Textáfrica, Liga Muçulmana-Matchedje, Ferroviário da Beira-Ferroviário de Pemba, FC Lichinga-Sporting, Atlético Muçulmano-Costa do Sol e HCB-Vilankulo FC.
publicado por Vaxko Zakarias às 15:35
 O que é? |  O que é? | favorito

À PARTIDA esperava-se por um jogo difícil para os “canarinhos”, apesar do seu bom momento de forma, após a entrada de David Mandigora, que revolucionou por completo a equipa. A HCB de Songo não conseguiu colocar em campo argumentos que pudessem contrariar a estrutura demolidora que o adversário apresentou logo no pontapé de saída.



Isso foi evidente no primeiro ataque digno de realce protagonizado pelos “canarinhos”, com Josimar a iniciar uma jogada e ver um brinde da defesa, tendo a bola escapado para o seu pé esquerdo, responsável por inaugurar o marcador, aos três minutos. Antes de o esférico transpor a linha final, ainda tocou na base do poste da baliza de Chico.

Quando a formação do Songo procurava despertar do susto, o Costa do Sol aumentou o caudal ofensivo, e Calima escorregou a 30 metros da sua baliza, colocando a mão à bola. Num livre bem estudado, Payó atrasou para David se aproveitar da inoperância da barreira para fazer o 2-0, quando decorria o sexto minuto.

O jogo esmoreceu porque o Costa do Sol abrandou o seu ritmo e a HCB não encontrou antídoto para contrariar o que estava a acontecer naquele piso sintético. Os pupilos de Mussá Osman não conseguiram engendrar uma única jogada de perigo que merecesse a redução no resultado e, como corolário, os donos da casa acreditaram que podiam acelerar ainda mais.

Perto do minuto 38, Gomes, Josimar e Nelsinho fizeram uma triangulação que resultou no toque de David, em habilidade, para o terceiro golo. A partir daí, foram dissipadas as dúvidas de quem seria o vencedor.

A HCB entrou na segunda parte algo diminuída em termos anímicos e permitiu que o seu oponente continuasse a mandar no jogo, e não espantou a ninguém que, com a manutenção do volume de jogo do Costa do Sol surgisse o quarto golo. Estavam decorridos 56 minutos quando, uma vez mais, o avançado zimbabweano David agradeceu uma oferta da defesa contrária e marcou o quarto golo para a sua equipa e terceiro para a sua conta pessoal.

Sem arte nem engenho, a HCB foi aceitando a sua inferioridade diante de um Costa do Sol que mostra estar disposto a fazer uma extraordinária recuperação na segunda volta do campeonato.

A arbitragem de Bernardino dos Santos não sofre qualquer reparo. Nota positiva.

FICHA TÉCNICA


Árbitro: Bernardino dos Santos, auxiliado por Luís Fortunato e Daniel Calavete. Quarto árbitro: Arlindo Silvano;

COSTA DO SOL – Antoninho; João Mazive, Manuelito, Kito e Nelsinho; Samito, Payó, Escuro e Josimar (Diogo); Gomes (Marrufo) e David (Ruben);

HCB – Chico; Danito Nhampossa (Victor), Elísio, Mucuapene e Calima; Maninho (Danga), Ngoni, Marlon e Henry (Zuma); Gito e Mavó;

Acção disciplinar: cartão amarelo para Calima.

Joca Estêvão
publicado por Vaxko Zakarias às 15:13
 O que é? |  O que é? | favorito

NUMA má propaganda de futebol, tendo como protagonistas Matchedje e Ferroviário da Beira, sobretudo na primeira parte, em que nada saiu bem a ambos os conjuntos, acabou ganhado a equipa que em momentos cruciais demonstrou ter mais frieza. Nesse capítulo, os “militares” foram superiores, já que conseguiram materializar em golo uma das jogadas de ataque, com Tchotchó a lançar Jojó e este, perante a saída de Chapepa, introduzir a bola na baliza beirense. O técnico Nacir Armando acabou acertando ao fazer entrar Jojó, visto que foi dos seus pés que surgiu o precioso tento, à passagem dos 80 minutos.



O Matchedje chegou à vantagem numa altura que tinha o controlo do jogo. Aliás, após uma primeira parte de péssimo futebol, a segunda ganhou ritmo e interesse. As entradas de Zacarias, do Matchedje, e de Burramo, do Ferroviário, para além de Jojó, ofereceram dinamismo à contenda. Burramo, umas das unidades mais esclarecidas em campo e quanto a nós a melhor unidade beirense, foi protagonista do lance que deu o penalte aos “locomotivas”, ainda nos primeiros minutos da segunda parte. Num lance de contra-ataque, driblou Zacarias, obrigando-o a fazer falta dentro da grande área. Só que Tokelo, chamado a marcar, rematou ao poste.

Na resposta, Tchotchó chegou a introduzir a bola na baliza, mas o árbitro Ribeiro Manuel anulou o golo prontamente, alegando fora-de-jogo. Os “militares” cresceram na partida e dispuseram de duas boas oportunidades para marcar, primeiro por Leonel e depois por Jacinto.

A avaliar pela produção dos comandados de Nacir Armando na segunda parte, a vitória acabou sendo bem entregue, embora os pupilos de Alex Alves não tenham nunca desistido de lutar pelo empate. Mesmo em cima dos 90 minutos, Burramo foi protagonista do lance que poderia ter valido um ponto aos beirenses.

O árbitro Ribeiro Manuel realizou um bom trabalho.

FICHA TÉCNICA


Árbitro: Ribeiro Manuel, auxiliado por Arsénio Marrengula e Júlio Muianga. Quarto árbitro: João Armando.

MATCJEDJE – Zacarias; Matofe, Nhabanga, Cufa e Vasco; West (Jojó), Tchotchó, Julinho (Jacinto) e Gregório (João); Perry e Leonel;

FER. BEIRA – Chapepa; Ninito, Gildo, Nené e Mupoga; Edson, Óscar (Timbe), Gervásio e Victor (Degato); Jerry (Burramo) e Tokelo;

Acção disciplinar
: cartão amarelo para Tchotchó.

Ivo Tavares
publicado por Vaxko Zakarias às 15:00
 O que é? |  O que é? | favorito

 


POR vezes, o assim-assim que tem estado a caracterizar a carreira “canarinha” resulta em desfechos francamente surpreendentes. Depois de a formação do zimbabweano David Mandigora ter derrotado o líder Ferroviário de Maputo por 3-1 e, a seguir, afastado da Taça de Moçambique a Liga Muçulmana, mercê do triunfo por uma bola sem resposta, agora foi a vez de, categoricamente, vencer a HCB de Songo por 4-0, com David, compatriota do treinador, a fazer um “hat trick”, depois de Josimar ter aberto o marcador.



Foi uma tarde extraordinariamente rica para o Costa do Sol, pois a fome de golos que tinha acabou resultando em fartura e fazer com que a equipa subisse alguns degraus na tabela classificativa, embora a questão do título seja uma miragem há já muito tempo, pois dificilmente pode superar os 16 pontos de vantagem em relação ao comandante da prova.

Apesar de tudo, um facto digno de registo: os “canarinhos”, curiosamente, em curto espaço de tempo ganharam a três equipas do topo da tabela, mesmo considerando que diante da turma de Artur Semedo foi para uma outra competição. No início da segunda volta do Moçambola-2010, a 14ª jornada, vincou a superioridade do Ferroviário de Maputo, Liga Muçulmana e Maxaquene a jogarem na condição de visitantes.

Os campeões nacionais bateram o Vilankulo FC por 2-1, os “muçulmanos” foram a Soalpo derrotar o Textáfrica por uma bola sem resposta, o mesmo resultado conseguido pelos “tricolores” no Estádio 25 de Junho, em Nampula, face ao Ferroviário de Pemba. Enquanto na Beira o Sporting local também primou pela fartura, na capital do país, Desportivo e Matchedje preferiram os serviços mínimos.

Os “leões” golearam o Atlético Muçulmano por 4-1 e, pelo mesmo “score” de 1-0, os “alvi-negros” e “militares” venceram FC Lichinga e Ferroviário da Beira, respectivamente. Ferroviário de Maputo mantém o comando e a margem de dois pontos (33-31) em relação à Liga Muçulmana, que vai na segunda posição.

A seguir, Maxaquene é o novo terceiro classificado com 25 pontos, vindo depois HCB de Songo com 24, Desportivo 20, Sporting da Beira e Matchedje 19, Ferroviário da Beira 18, Costa do Sol e Vilankulo FC 17, Textáfrica 15, FC Lichinga 11, Atlético Muçulmano 10 e Ferroviário de Pemba oito pontos. Na 15ª jornada, as atenções estarão viradas para o sempre aliciante “derby” entre Maxaquene e Desportivo, marcado para sábado, enquanto no domingo se realizam os embates Ferroviário de Maputo-Textáfrica, Liga Muçulmana-Matchedje, Ferroviário da Beira-Ferroviário de Pemba, FC Lichinga-Sporting, Atlético Muçulmano-Costa do Sol e HCB-Vilankulo FC.
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 14:46
 O que é? |  O que é? | favorito


O FERROVIÁRIO teve que vestir fato-macaco para arrancar a vitória em Vilankulo. Uma vitória bastante suada, dada a réplica que os donos da casa ofereceram, principalmente nos últimos cinco minutos, nos quais encurralaram os líderes do Moçambola no seu meio-campo.



O primeiro golo chegou a cinco minutos do final da primeira parte, através de Luís, a concluir uma jogada iniciada por Mendes. Nessa altura, o Vilankulo nem estava a jogar mal. Aliás, foi a primeira equipa que tentou chegar com perigo à baliza de Mohamed, que por duas vezes teve que se empregar a fundo para evitar o golo.

Em desvantagem, os visitados não acusaram o facto e procuraram confundir o seu oponente, através de triangulações, tentando perfurações pelas alas. Todavia, todas estas investidas esbarravam na defesa “locomotiva”, superiormente comandada por Jotamo.

Na segunda parte, Chiquinho Conde não dormiu na sombra da bananeira e continuou bastante interactivo, incentivando a sua rapaziada a procurar mais golos. Os frutos não tardaram a chegar, quando Imo silenciou a falange caseira ao elevar a contagem para 2-0.

Inconformado com o resultado, Flin mexeu no seu xadrez, com a entrada de Calton e Titos, dois pontas-de-lança que trouxeram mais frescura nas manobras ofensivas, tendo o tento de honra surgido aos 85 minutos, por intermédio de Sergito, outra unidade lançada por Flin no segundo tempo, numa altura em que o sufoco junto à baliza de Mohamed era uma realidade.

Ainad Ussene realizou um bom trabalho.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: Ainad Ussene, auxiliado por Francisco Machel e Bento Chengernao. Quarto árbitro: José Maria Rachide;

VILANKULO FC
– Fumo; Joe, Mambucho, Tcharles e Bila; Félio, Adino, Gonçalves (Sergito) e Bila; Edgar (Titos) e Mac (Calton);

FER. MAPUTO – Mohamed; Jotamo, Tony, Kiki e Zabula; Mendes (Jair), Danito Parruque, Imo e Momed Hagy; Luís (Jerry) e Ítalo (Sonito);

Acção disciplinar
: cartão amarelo para Tony, Zabula, Mendes e Edgar.

Golos: 0-1, Luís (40 m); 0-2, Imo (71 m); 1-2, Sergito (85 m).

Victorino Xavier
publicado por Vaxko Zakarias às 14:45
 O que é? |  O que é? | favorito

A VERDADE deve ser dita: quem ontem se deslocou ao Estádio 25 de Junho terá dado o seu tempo por perdido, isto em função do mau espectáculo que Ferroviário de Pemba e Maxaquene protagonizaram. Assistiu-se a um desafio pobre, com os jogadores a não se aplicarem, pelo menos ao longo da primeira parte.



Porém, entrou melhor a equipa visitante que, aos 18 minutos, se adiantou no marcador, por intermédio de Tony, que aproveitou da melhor maneira uma confusão na grande área contrária. A perder e na zona da despromoção, exigia-se ou esperava-se mais empenho dos “locomotivas”, mas nada lhes saía bem, facto que irritava os adeptos.

Na segunda parte, os pembenses surgiram com uma disposição mais ofensiva e tiveram algumas oportunidades de chegar ao empate, mas faltava concentração na hora da verdade. Um desses lances foi protagonizado por Babugy, ao 51 minutos, a não conseguir fazer o golo com a baliza completamente escancarada.

Com uma turma visitada perdulária, coube aos” tricolores” gerir o resultado que lhe era favorável.


FICHA TÉCNICA


Árbitro
: António Amiltone, auxiliado por João Paulo e Nelsa Abílio.

FER. PEMBA
– Bony; Inácio, Franco, Marito e Abdala; Babugy, Hermínio (Cachimo), Fido e Maduro; Julinho e Troy (Dulá);

MAXAQUENE
– Soarito; Campira, Gabito, Vasil e Eusébio; Kito (Amide), Eládio (Eboh), Alvarito e Macamito; Manuel (Nelsinho) e Tony.

Acção disciplinar: cartão amarelo para Campira e Nelsinho.

MOUZINHO DE ALBUQUERQUE
publicado por Vaxko Zakarias às 14:36
 O que é? |  O que é? | favorito

APESAR de ter desperdiçado várias oportunidades flagrantes, Tico-Tico acabou por evitar mais um revés dos “alvi-negros”, claramente carentes de golos. O antigo capitão dos “Mambas” assinou o tento vitorioso aos 72 minutos, numa partida em que se esperava um Desportivo demolidor e a aproveitar os problemas administrativos que se vivem no FC Lichinga, só que tal acabou não acontecendo.



Aliás, nos primeiros minutos da contenda os visitantes foram mais ousados, dando a sensação de que, apesar das vicissitudes por que passam, estavam no campo do 1º de Maio com a disposição de vencer. O Desportivo enfrentou algumas dificuldades na linha intermediária, situação que fez com que Tico-Tico e Jojó estivessem sem qualquer apoio no ataque.

Apesar de tudo, os “alvi-negros”, paulatinamente, foram crescendo e aparecer com alguma frequência junto à baliza contrária, porém, sempre a faltar o instinto matador para concluir chances susceptíveis de golo. O FC Lichinga respondia sempre que pudesse, mas sem muita consistência, permitindo que o Desportivo dominasse os acontecimentos.

O segundo tempo da partida é marcado pela expulsão do guarda-redes Valério, que até então vinha sendo o responsável pelo nulo. O “keeper” lichinguense sai da área e agarra o esférico, tendo o árbitro Amosse Lázaro lhe mostrado o cartão amarelo. No entanto, o quarto homem da equipa de arbitragem, João Armando, experiente e conhecedor da matéria, chamou o seu colega para lhe dizer que, naquela situação, o cartão devia ser o vermelho. E assim foi, tendo o FC Lichinga passado a jogar com 10 unidades a partir dos 66 minutos.

A ocasião foi bem aproveitada pelos “alvi-negros”, pois, aos 72 minutos, num cruzamento pela direita, a defesa não consegue segurar Tico-Tico, que surge isolado à frente de Jorge – guarda-redes de recurso, já que estavam esgotadas as substituições – para marcar o golo da vitória da sua equipa.

À excepção do lance do cartão vermelho, bem corrigida por João Armando, o árbitro esteve bem.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: Amosse Lázaro, assistido por Mário Albino e Ivo Francisco. Quarto árbitro: Aníbal Armando;

DESPORTIVO – Gervásio; Monino (Áureo), Baúte, Zainadine Jr. e César Bento; Nelinho, Cândido, Dino (Tchitcho) e Isac (Abílio); Jojó e Tico-Tico;

FC LICHINGA – Valério; Hagy, Lamek, Sadik (Jorge) e Paíto; Nando (Cássimo), Bâbai, Maninho e Fedo; Paúnde e Skaba (Kikito);

Acção disciplinar: cartão amarelo para Sadik, Lamek e Bâbai. Vermelho para Valério.
publicado por Vaxko Zakarias às 14:29
 O que é? |  O que é? | favorito

 


À PARTIDA esperava-se por um jogo difícil para os “canarinhos”, apesar do seu bom momento de forma, após a entrada de David Mandigora, que revolucionou por completo a equipa. A HCB de Songo não conseguiu colocar em campo argumentos que pudessem contrariar a estrutura demolidora que o adversário apresentou logo no pontapé de saída.



Isso foi evidente no primeiro ataque digno de realce protagonizado pelos “canarinhos”, com Josimar a iniciar uma jogada e ver um brinde da defesa, tendo a bola escapado para o seu pé esquerdo, responsável por inaugurar o marcador, aos três minutos. Antes de o esférico transpor a linha final, ainda tocou na base do poste da baliza de Chico.

Quando a formação do Songo procurava despertar do susto, o Costa do Sol aumentou o caudal ofensivo, e Calima escorregou a 30 metros da sua baliza, colocando a mão à bola. Num livre bem estudado, Payó atrasou para David se aproveitar da inoperância da barreira para fazer o 2-0, quando decorria o sexto minuto.

O jogo esmoreceu porque o Costa do Sol abrandou o seu ritmo e a HCB não encontrou antídoto para contrariar o que estava a acontecer naquele piso sintético. Os pupilos de Mussá Osman não conseguiram engendrar uma única jogada de perigo que merecesse a redução no resultado e, como corolário, os donos da casa acreditaram que podiam acelerar ainda mais.

Perto do minuto 38, Gomes, Josimar e Nelsinho fizeram uma triangulação que resultou no toque de David, em habilidade, para o terceiro golo. A partir daí, foram dissipadas as dúvidas de quem seria o vencedor.

A HCB entrou na segunda parte algo diminuída em termos anímicos e permitiu que o seu oponente continuasse a mandar no jogo, e não espantou a ninguém que, com a manutenção do volume de jogo do Costa do Sol surgisse o quarto golo. Estavam decorridos 56 minutos quando, uma vez mais, o avançado zimbabweano David agradeceu uma oferta da defesa contrária e marcou o quarto golo para a sua equipa e terceiro para a sua conta pessoal.

Sem arte nem engenho, a HCB foi aceitando a sua inferioridade diante de um Costa do Sol que mostra estar disposto a fazer uma extraordinária recuperação na segunda volta do campeonato.

A arbitragem de Bernardino dos Santos não sofre qualquer reparo. Nota positiva.

FICHA TÉCNICA


Árbitro: Bernardino dos Santos, auxiliado por Luís Fortunato e Daniel Calavete. Quarto árbitro: Arlindo Silvano;

COSTA DO SOL – Antoninho; João Mazive, Manuelito, Kito e Nelsinho; Samito, Payó, Escuro e Josimar (Diogo); Gomes (Marrufo) e David (Ruben);

HCB – Chico; Danito Nhampossa (Victor), Elísio, Mucuapene e Calima; Maninho (Danga), Ngoni, Marlon e Henry (Zuma); Gito e Mavó;

Acção disciplinar: cartão amarelo para Calima.

Joca Estêvão
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 14:15
 O que é? |  O que é? | favorito

 


NUMA má propaganda de futebol, tendo como protagonistas Matchedje e Ferroviário da Beira, sobretudo na primeira parte, em que nada saiu bem a ambos os conjuntos, acabou ganhado a equipa que em momentos cruciais demonstrou ter mais frieza. Nesse capítulo, os “militares” foram superiores, já que conseguiram materializar em golo uma das jogadas de ataque, com Tchotchó a lançar Jojó e este, perante a saída de Chapepa, introduzir a bola na baliza beirense. O técnico Nacir Armando acabou acertando ao fazer entrar Jojó, visto que foi dos seus pés que surgiu o precioso tento, à passagem dos 80 minutos.



O Matchedje chegou à vantagem numa altura que tinha o controlo do jogo. Aliás, após uma primeira parte de péssimo futebol, a segunda ganhou ritmo e interesse. As entradas de Zacarias, do Matchedje, e de Burramo, do Ferroviário, para além de Jojó, ofereceram dinamismo à contenda. Burramo, umas das unidades mais esclarecidas em campo e quanto a nós a melhor unidade beirense, foi protagonista do lance que deu o penalte aos “locomotivas”, ainda nos primeiros minutos da segunda parte. Num lance de contra-ataque, driblou Zacarias, obrigando-o a fazer falta dentro da grande área. Só que Tokelo, chamado a marcar, rematou ao poste.

Na resposta, Tchotchó chegou a introduzir a bola na baliza, mas o árbitro Ribeiro Manuel anulou o golo prontamente, alegando fora-de-jogo. Os “militares” cresceram na partida e dispuseram de duas boas oportunidades para marcar, primeiro por Leonel e depois por Jacinto.

A avaliar pela produção dos comandados de Nacir Armando na segunda parte, a vitória acabou sendo bem entregue, embora os pupilos de Alex Alves não tenham nunca desistido de lutar pelo empate. Mesmo em cima dos 90 minutos, Burramo foi protagonista do lance que poderia ter valido um ponto aos beirenses.

O árbitro Ribeiro Manuel realizou um bom trabalho.

FICHA TÉCNICA


Árbitro: Ribeiro Manuel, auxiliado por Arsénio Marrengula e Júlio Muianga. Quarto árbitro: João Armando.

MATCJEDJE – Zacarias; Matofe, Nhabanga, Cufa e Vasco; West (Jojó), Tchotchó, Julinho (Jacinto) e Gregório (João); Perry e Leonel;

FER. BEIRA – Chapepa; Ninito, Gildo, Nené e Mupoga; Edson, Óscar (Timbe), Gervásio e Victor (Degato); Jerry (Burramo) e Tokelo;

Acção disciplinar
: cartão amarelo para Tchotchó.

Ivo Tavares
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 14:09
 O que é? |  O que é? | favorito



Moçambola-2010 à passagem da décima quarta jornada.

O Ferroviário de Maputo e a Liga Muçulmana continuam numa perseguição “louca”. No pretérito fim-de-semana, venceram todos à tangente, respectivamente, 2-1 diante do Vilankulo FC, em Inhambane, e 1-0 ao Textáfrica, em Manica.

Os “locomotivas” de Maputo reforçaram a liderança e já somam 33 pontos, mais dois que os “muçulmanos”. O HCB de Songo, por seu turno, atrasou-se um pouco na luta pelo título, depois de ter sido goleado pelo Costa do Sol por 4-0. Neste momento, soma os mesmos 24 pontos alcançados na primeira volta.

A 14ª jornada trouxe a confirmação de três candidaturas sólidas (Ferroviário de Maputo, Liga Muçulmana e Maxaquene) ao título. Por outro lado, oficializou a presença do Costa do Sol no segundo pelotão, o que luta pela melhor classificação e sonha com posições do pódio. A sentença ficou traçada no sábado, quando o Costa do Sol voltou às vitórias gordas e pôs fim à série de alternância do bom e sofrível da equipa de David Mandigore.

A exibição até deslumbrou e, ainda, confirmou em toda a linha que a solidez e a segurança são os principais traços de identidade dos “canarinhos” que, gradualmente, vão aproximando-se do que na história sempre escreveram. Já o Ferroviário de Maputo, mantendo de entrada um ritmo implacável, o líder anulava a margem de erro da concorrência, especialmente a da Liga Muçulmana que, em caso de deslize, seria o principal beneficiado.

Apesar de ter tremido, cenário próprio de competitividade, a veia goleadora de Luís, o oportunismo de Imo e a boa prestação dos restantes colegas devolveram estabilidade ao campeão.

Do ponto de vista de emoção e espectacularidade, os jogos grandes do fim-de-semana aconteceram no Desportivo de Maputo vs FC Lichinga e no Textáfrica vs Liga Muçulmana, nos quais os “alvi-negros” e os “muçulmanos” deitaram para trás das costas mais uma tradição recente, a dos resultados negativos.

Crescêncio José
publicado por Vaxko Zakarias às 13:51
 O que é? |  O que é? | favorito

 



O FERROVIÁRIO teve que vestir fato-macaco para arrancar a vitória em Vilankulo. Uma vitória bastante suada, dada a réplica que os donos da casa ofereceram, principalmente nos últimos cinco minutos, nos quais encurralaram os líderes do Moçambola no seu meio-campo.



O primeiro golo chegou a cinco minutos do final da primeira parte, através de Luís, a concluir uma jogada iniciada por Mendes. Nessa altura, o Vilankulo nem estava a jogar mal. Aliás, foi a primeira equipa que tentou chegar com perigo à baliza de Mohamed, que por duas vezes teve que se empregar a fundo para evitar o golo.

Em desvantagem, os visitados não acusaram o facto e procuraram confundir o seu oponente, através de triangulações, tentando perfurações pelas alas. Todavia, todas estas investidas esbarravam na defesa “locomotiva”, superiormente comandada por Jotamo.

Na segunda parte, Chiquinho Conde não dormiu na sombra da bananeira e continuou bastante interactivo, incentivando a sua rapaziada a procurar mais golos. Os frutos não tardaram a chegar, quando Imo silenciou a falange caseira ao elevar a contagem para 2-0.

Inconformado com o resultado, Flin mexeu no seu xadrez, com a entrada de Calton e Titos, dois pontas-de-lança que trouxeram mais frescura nas manobras ofensivas, tendo o tento de honra surgido aos 85 minutos, por intermédio de Sergito, outra unidade lançada por Flin no segundo tempo, numa altura em que o sufoco junto à baliza de Mohamed era uma realidade.

Ainad Ussene realizou um bom trabalho.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: Ainad Ussene, auxiliado por Francisco Machel e Bento Chengernao. Quarto árbitro: José Maria Rachide;

VILANKULO FC
– Fumo; Joe, Mambucho, Tcharles e Bila; Félio, Adino, Gonçalves (Sergito) e Bila; Edgar (Titos) e Mac (Calton);

FER. MAPUTO – Mohamed; Jotamo, Tony, Kiki e Zabula; Mendes (Jair), Danito Parruque, Imo e Momed Hagy; Luís (Jerry) e Ítalo (Sonito);

Acção disciplinar
: cartão amarelo para Tony, Zabula, Mendes e Edgar.

Golos: 0-1, Luís (40 m); 0-2, Imo (71 m); 1-2, Sergito (85 m).

Victorino Xavier
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:49
 O que é? |  O que é? | favorito

 


A VERDADE deve ser dita: quem ontem se deslocou ao Estádio 25 de Junho terá dado o seu tempo por perdido, isto em função do mau espectáculo que Ferroviário de Pemba e Maxaquene protagonizaram. Assistiu-se a um desafio pobre, com os jogadores a não se aplicarem, pelo menos ao longo da primeira parte.



Porém, entrou melhor a equipa visitante que, aos 18 minutos, se adiantou no marcador, por intermédio de Tony, que aproveitou da melhor maneira uma confusão na grande área contrária. A perder e na zona da despromoção, exigia-se ou esperava-se mais empenho dos “locomotivas”, mas nada lhes saía bem, facto que irritava os adeptos.

Na segunda parte, os pembenses surgiram com uma disposição mais ofensiva e tiveram algumas oportunidades de chegar ao empate, mas faltava concentração na hora da verdade. Um desses lances foi protagonizado por Babugy, ao 51 minutos, a não conseguir fazer o golo com a baliza completamente escancarada.

Com uma turma visitada perdulária, coube aos” tricolores” gerir o resultado que lhe era favorável.


FICHA TÉCNICA


Árbitro
: António Amiltone, auxiliado por João Paulo e Nelsa Abílio.

FER. PEMBA
– Bony; Inácio, Franco, Marito e Abdala; Babugy, Hermínio (Cachimo), Fido e Maduro; Julinho e Troy (Dulá);

MAXAQUENE
– Soarito; Campira, Gabito, Vasil e Eusébio; Kito (Amide), Eládio (Eboh), Alvarito e Macamito; Manuel (Nelsinho) e Tony.

Acção disciplinar: cartão amarelo para Campira e Nelsinho.

MOUZINHO DE ALBUQUERQUE
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:38
 O que é? |  O que é? | favorito



Afinal, o que o Vilankulo FC quer?” Esta pergunta pertence a Mohamed, guarda redes do Ferroviário do Maputo, feita em forma de uma canção entoada no interior da viatura na saída da sua equipa, depois de uma vitória sofrida de 1 a 2 frente ao Vilankulo FC. A pergunta era também respondida em forma de coro pelos colegas, com destaque para o capitão Jotamo, Mendes e Ítalo. “Nada”, respondiam os pupilos de Chiquinho Conde, comemorando a vitória que sacaram a ferro e fogo naquela tarde de sábado em Vilankulo.

Mohamad poderá ter sido o melhor “maquinista” da “locomotiva”, principalmente nos últimos cinco minutos da partida, quando a equipa local lutava por um empate, depois de reduzir a desvantagem por intermédio de Sergito, que acabara de entrar para o jogo.

O keeper do Ferroviário defendeu todos os mísseis que eram lançados de todos os cantos num assédio à sua baliza. Os pupilos do Flin estavam espevitados pelo golo e, aos 87 minutos, forçaram o empate que acabou não acontecendo. Mohamed, cansado do sufoco pelos “mísseis terra-ar até pelo mar” dos atacantes de Vilankulo, decidiu atirar ao solo e ficou sete minutos sob observância da equipa médica dos “locomotivas” da capital.

O tempo foi compensado e o guarda-redes não gostou da atitude do árbitro, ao ponto de, no fim da partida, se ter dirigido à equipa da arbitragem para pedir contas e, graças à intervenção do treinador Chiquinho Conde, de Lourenço, da direcção do Ferroviário e do capitão Jotamo, Mohamed não concretizou os seus intentos.

Para descarregar a sua fúria, num misto de grande satisfação pela vitória, Mohamed comandou a orquestra que, no interior da viatura, foi vibrando em direcção a hotel. “Afinal, Vilankulo FC quer o quê?” “Nada”, respondiam os colegas de Mohamed.

O jogo foi caracterizado por entrega total de todos os intervenientes. Chiquinho Conde não se deixou embalar no título que ainda ostenta e a liderança do campeonato. Escalou para este jogo os principais artistas do clube, apenas Jerry é que começou o jogo no banco, tendo entrado já no tempo em que se geria o 1 a 2.

Por seu turno, o Vilankulo FC não queria sofrer a cabazada de quatro bolas sem resposta, sofrida no piso sintético da Machava. Discutiu taco a taco o jogo e chegou a superiorizar-se em alguns momentos.

Para além de Gonçalves, homem chamado para meio campo para tapar o lugar de Jossias, não convocado por indisciplina, bem como de José Cumbe, outro jogador em vias de expulsão em Vilankulo, Flin entrou com Adino para o meio campo, para onde também foram escalados Félio e Belo.

Diana Rita, em Vilankulo
publicado por Vaxko Zakarias às 13:38
 O que é? |  O que é? | favorito

Moçambola-2010 à passagem da décima quarta jornada.

Os “canarinhos” partiram para esta partida com o objectivo de apagar a pálida imagem deixada na primeira volta, em que perderam com o HCB por 2-0.

A equipa “canarinha” assumiu, desde cedo, as despesas do jogo. Perante a enorme pressão exercida pelo Costa do Sol, a resistência dos visitantes durou apenas três minutos. O médio ofensivo Josimar, depois de receber um passe de David na zona central do meio campo contrário, galgou terreno e desferiu um remate do meio da rua, batendo o guarda-redes Chico. Era um a zero favorável ao Costa do Sol.

Não satisfeito com o resultado, o HCB de Songo partiu em busca do empate, mas encontrava muitas dificuldades para transpor a defensiva do Costa do Sol. Os “canarinhos”, donos e senhores do jogo, pressionaram o adversário que não se encontrava em jogo. E, na sequência dessa pressão, num lance rápido de contra-ataque, Josimar tenta passar por dois contrários, deixando um deles no chão e este acabou jogando a bola com a mão.

O árbitro da partida, Bernardino dos Santos, marcou falta contra o HCB na zona central da baliza.

Na cobrança do livre, Payó fez um toque subtil para David que desferiu um portentoso remate para o 2-0, estavam jogados apenas oito minutos.

Daí em diante, assistiu-se a um verdadeiro banho de futebol protagonizado pelos “canarinhos” que, num sistema de 4x4x2, baralhavam por completo a estrutura do HCB, com destaque para Josimar, Escuro, David, Payó que eram verdadeiros mestres do meio campo.
publicado por Vaxko Zakarias às 13:33
 O que é? |  O que é? | favorito

 


APESAR de ter desperdiçado várias oportunidades flagrantes, Tico-Tico acabou por evitar mais um revés dos “alvi-negros”, claramente carentes de golos. O antigo capitão dos “Mambas” assinou o tento vitorioso aos 72 minutos, numa partida em que se esperava um Desportivo demolidor e a aproveitar os problemas administrativos que se vivem no FC Lichinga, só que tal acabou não acontecendo.



Aliás, nos primeiros minutos da contenda os visitantes foram mais ousados, dando a sensação de que, apesar das vicissitudes por que passam, estavam no campo do 1º de Maio com a disposição de vencer. O Desportivo enfrentou algumas dificuldades na linha intermediária, situação que fez com que Tico-Tico e Jojó estivessem sem qualquer apoio no ataque.

Apesar de tudo, os “alvi-negros”, paulatinamente, foram crescendo e aparecer com alguma frequência junto à baliza contrária, porém, sempre a faltar o instinto matador para concluir chances susceptíveis de golo. O FC Lichinga respondia sempre que pudesse, mas sem muita consistência, permitindo que o Desportivo dominasse os acontecimentos.

O segundo tempo da partida é marcado pela expulsão do guarda-redes Valério, que até então vinha sendo o responsável pelo nulo. O “keeper” lichinguense sai da área e agarra o esférico, tendo o árbitro Amosse Lázaro lhe mostrado o cartão amarelo. No entanto, o quarto homem da equipa de arbitragem, João Armando, experiente e conhecedor da matéria, chamou o seu colega para lhe dizer que, naquela situação, o cartão devia ser o vermelho. E assim foi, tendo o FC Lichinga passado a jogar com 10 unidades a partir dos 66 minutos.

A ocasião foi bem aproveitada pelos “alvi-negros”, pois, aos 72 minutos, num cruzamento pela direita, a defesa não consegue segurar Tico-Tico, que surge isolado à frente de Jorge – guarda-redes de recurso, já que estavam esgotadas as substituições – para marcar o golo da vitória da sua equipa.

À excepção do lance do cartão vermelho, bem corrigida por João Armando, o árbitro esteve bem.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: Amosse Lázaro, assistido por Mário Albino e Ivo Francisco. Quarto árbitro: Aníbal Armando;

DESPORTIVO – Gervásio; Monino (Áureo), Baúte, Zainadine Jr. e César Bento; Nelinho, Cândido, Dino (Tchitcho) e Isac (Abílio); Jojó e Tico-Tico;

FC LICHINGA – Valério; Hagy, Lamek, Sadik (Jorge) e Paíto; Nando (Cássimo), Bâbai, Maninho e Fedo; Paúnde e Skaba (Kikito);

Acção disciplinar: cartão amarelo para Sadik, Lamek e Bâbai. Vermelho para Valério.
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 13:32
 O que é? |  O que é? | favorito

Os internacionais moçambicanos levam na bagagem o sonho de singrarem no futebol profissional português que esperam.

Hélder Pelembe, avançado do Maxaquene, e Jumisse, médio-ofensivo da Liga Muçulmana, deixaram sábado a cidade de Maputo com destino ao Algarve, Portugal, para rubricarem contrato válido por três temporadas com o Portimonense, conjunto que este ano ascendeu à Liga Sagres.

Os internacionais moçambicanos levam na bagagem o sonho de singrarem no futebol profissional português que esperam, de resto, venha a servir de trampolim para outras ligas.

Pelembe e Jumisse foram indicados por Litos, técnico com quem trabalharam na temporada 2009 no Maxaquene. Litos, na altura, ficou impressionado com as qualidades dos internacionais moçambicanos, tendo, por isso, recomendado à direcção do clube de Portimão à contratação destes.
publicado por Vaxko Zakarias às 13:29
 O que é? |  O que é? | favorito

O Ferroviário da Beira procurou controlar o encontro nos instantes iniciais.

Numa partida bastante pobre e com poucos lances dignos de destaque, o Ferroviário da Beira procurou controlar o encontro nos instantes iniciais.

O Matchedje chegou com perigo à baliza contrária, aos 26 minutos, numa jogada em que Pery ganhou espaço na direita e rematou para o alívio da defensiva. Na sobra, Tchotchó rematou para cima.

Na resposta, aos 33 minutos, Tokelo fez uma incursão pelo corredor direito, mas o seu remate não teve enquadramento com a baliza de Zacarias.

Aos 43 minutos, na sequência de um canto na esquerda, a bola sobrou para Jerry e este chutou rasteiro, tendo válido a atenção de Cufa, que evitou o pior.

No primeiro minuto da segunda parte, os visitantes partiram em ataque rápido através de Timbe, que é derrubado na grande área por Cufa. O árbitro da partida, Ribeiro Manuel, não hesitou em apontar para a marca de grande penalidade.

Chamado a cobrar o castigo máximo, Tokelo rematou para o fundo das malhas, mas o árbitro invalidou o lance. Na repetição, Tokelo chutou para fora.
publicado por Vaxko Zakarias às 13:24
 O que é? |  O que é? | favorito



Perante cerca de 25 mil espectadores

O Sporting venceu na noite de ontem o Lyon (2-0) no jogo de apresentação aos sócios.

Perante cerca de 25 mil espectadores, a equipa de Paulo Sérgio cedo colocou-se em vantagem: marcou Tonel aos três minutos, após livre batido por Valdés.

No dia em que foi anunciado que Anderson Polga seria o capitão de equipa, os “leões” mostraram um esboço do que poderão vir a fazer na nova época. Com Pongolle e Vukcevic na frente, apoiados de perto por Valdés, coube a Maniche o papel de organizador do jogo.

E se é verdade que na primeira parte o Lyon, que fazia em Alvalade a sua segunda partida na época, conseguiu dividir o jogo e criar mais oportunidades de golo, já na segunda, e apesar das inúmeras substituições feitas por Paulo Sérgio, foram dos “leões” as melhores oportunidades para marcar.
publicado por Vaxko Zakarias às 13:14
 O que é? |  O que é? | favorito

 




Moçambola-2010 à passagem da décima quarta jornada.

O Ferroviário de Maputo e a Liga Muçulmana continuam numa perseguição “louca”. No pretérito fim-de-semana, venceram todos à tangente, respectivamente, 2-1 diante do Vilankulo FC, em Inhambane, e 1-0 ao Textáfrica, em Manica.

Os “locomotivas” de Maputo reforçaram a liderança e já somam 33 pontos, mais dois que os “muçulmanos”. O HCB de Songo, por seu turno, atrasou-se um pouco na luta pelo título, depois de ter sido goleado pelo Costa do Sol por 4-0. Neste momento, soma os mesmos 24 pontos alcançados na primeira volta.

A 14ª jornada trouxe a confirmação de três candidaturas sólidas (Ferroviário de Maputo, Liga Muçulmana e Maxaquene) ao título. Por outro lado, oficializou a presença do Costa do Sol no segundo pelotão, o que luta pela melhor classificação e sonha com posições do pódio. A sentença ficou traçada no sábado, quando o Costa do Sol voltou às vitórias gordas e pôs fim à série de alternância do bom e sofrível da equipa de David Mandigore.

A exibição até deslumbrou e, ainda, confirmou em toda a linha que a solidez e a segurança são os principais traços de identidade dos “canarinhos” que, gradualmente, vão aproximando-se do que na história sempre escreveram. Já o Ferroviário de Maputo, mantendo de entrada um ritmo implacável, o líder anulava a margem de erro da concorrência, especialmente a da Liga Muçulmana que, em caso de deslize, seria o principal beneficiado.

Apesar de ter tremido, cenário próprio de competitividade, a veia goleadora de Luís, o oportunismo de Imo e a boa prestação dos restantes colegas devolveram estabilidade ao campeão.

Do ponto de vista de emoção e espectacularidade, os jogos grandes do fim-de-semana aconteceram no Desportivo de Maputo vs FC Lichinga e no Textáfrica vs Liga Muçulmana, nos quais os “alvi-negros” e os “muçulmanos” deitaram para trás das costas mais uma tradição recente, a dos resultados negativos.

Crescêncio José
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:54
 O que é? |  O que é? | favorito

 




Afinal, o que o Vilankulo FC quer?” Esta pergunta pertence a Mohamed, guarda redes do Ferroviário do Maputo, feita em forma de uma canção entoada no interior da viatura na saída da sua equipa, depois de uma vitória sofrida de 1 a 2 frente ao Vilankulo FC. A pergunta era também respondida em forma de coro pelos colegas, com destaque para o capitão Jotamo, Mendes e Ítalo. “Nada”, respondiam os pupilos de Chiquinho Conde, comemorando a vitória que sacaram a ferro e fogo naquela tarde de sábado em Vilankulo.

Mohamad poderá ter sido o melhor “maquinista” da “locomotiva”, principalmente nos últimos cinco minutos da partida, quando a equipa local lutava por um empate, depois de reduzir a desvantagem por intermédio de Sergito, que acabara de entrar para o jogo.

O keeper do Ferroviário defendeu todos os mísseis que eram lançados de todos os cantos num assédio à sua baliza. Os pupilos do Flin estavam espevitados pelo golo e, aos 87 minutos, forçaram o empate que acabou não acontecendo. Mohamed, cansado do sufoco pelos “mísseis terra-ar até pelo mar” dos atacantes de Vilankulo, decidiu atirar ao solo e ficou sete minutos sob observância da equipa médica dos “locomotivas” da capital.

O tempo foi compensado e o guarda-redes não gostou da atitude do árbitro, ao ponto de, no fim da partida, se ter dirigido à equipa da arbitragem para pedir contas e, graças à intervenção do treinador Chiquinho Conde, de Lourenço, da direcção do Ferroviário e do capitão Jotamo, Mohamed não concretizou os seus intentos.

Para descarregar a sua fúria, num misto de grande satisfação pela vitória, Mohamed comandou a orquestra que, no interior da viatura, foi vibrando em direcção a hotel. “Afinal, Vilankulo FC quer o quê?” “Nada”, respondiam os colegas de Mohamed.

O jogo foi caracterizado por entrega total de todos os intervenientes. Chiquinho Conde não se deixou embalar no título que ainda ostenta e a liderança do campeonato. Escalou para este jogo os principais artistas do clube, apenas Jerry é que começou o jogo no banco, tendo entrado já no tempo em que se geria o 1 a 2.

Por seu turno, o Vilankulo FC não queria sofrer a cabazada de quatro bolas sem resposta, sofrida no piso sintético da Machava. Discutiu taco a taco o jogo e chegou a superiorizar-se em alguns momentos.

Para além de Gonçalves, homem chamado para meio campo para tapar o lugar de Jossias, não convocado por indisciplina, bem como de José Cumbe, outro jogador em vias de expulsão em Vilankulo, Flin entrou com Adino para o meio campo, para onde também foram escalados Félio e Belo.

Diana Rita, em Vilankulo
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:50
 O que é? |  O que é? | favorito

 


Moçambola-2010 à passagem da décima quarta jornada.

Os “canarinhos” partiram para esta partida com o objectivo de apagar a pálida imagem deixada na primeira volta, em que perderam com o HCB por 2-0.

A equipa “canarinha” assumiu, desde cedo, as despesas do jogo. Perante a enorme pressão exercida pelo Costa do Sol, a resistência dos visitantes durou apenas três minutos. O médio ofensivo Josimar, depois de receber um passe de David na zona central do meio campo contrário, galgou terreno e desferiu um remate do meio da rua, batendo o guarda-redes Chico. Era um a zero favorável ao Costa do Sol.

Não satisfeito com o resultado, o HCB de Songo partiu em busca do empate, mas encontrava muitas dificuldades para transpor a defensiva do Costa do Sol. Os “canarinhos”, donos e senhores do jogo, pressionaram o adversário que não se encontrava em jogo. E, na sequência dessa pressão, num lance rápido de contra-ataque, Josimar tenta passar por dois contrários, deixando um deles no chão e este acabou jogando a bola com a mão.

O árbitro da partida, Bernardino dos Santos, marcou falta contra o HCB na zona central da baliza.

Na cobrança do livre, Payó fez um toque subtil para David que desferiu um portentoso remate para o 2-0, estavam jogados apenas oito minutos.

Daí em diante, assistiu-se a um verdadeiro banho de futebol protagonizado pelos “canarinhos” que, num sistema de 4x4x2, baralhavam por completo a estrutura do HCB, com destaque para Josimar, Escuro, David, Payó que eram verdadeiros mestres do meio campo.
 
HelioGabaldo Cuna
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:36
 O que é? |  O que é? | favorito

 


Os internacionais moçambicanos levam na bagagem o sonho de singrarem no futebol profissional português que esperam.

Hélder Pelembe, avançado do Maxaquene, e Jumisse, médio-ofensivo da Liga Muçulmana, deixaram sábado a cidade de Maputo com destino ao Algarve, Portugal, para rubricarem contrato válido por três temporadas com o Portimonense, conjunto que este ano ascendeu à Liga Sagres.

Os internacionais moçambicanos levam na bagagem o sonho de singrarem no futebol profissional português que esperam, de resto, venha a servir de trampolim para outras ligas.

Pelembe e Jumisse foram indicados por Litos, técnico com quem trabalharam na temporada 2009 no Maxaquene. Litos, na altura, ficou impressionado com as qualidades dos internacionais moçambicanos, tendo, por isso, recomendado à direcção do clube de Portimão à contratação destes.
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:31
 O que é? |  O que é? | favorito

 


O Ferroviário da Beira procurou controlar o encontro nos instantes iniciais.

Numa partida bastante pobre e com poucos lances dignos de destaque, o Ferroviário da Beira procurou controlar o encontro nos instantes iniciais.

O Matchedje chegou com perigo à baliza contrária, aos 26 minutos, numa jogada em que Pery ganhou espaço na direita e rematou para o alívio da defensiva. Na sobra, Tchotchó rematou para cima.

Na resposta, aos 33 minutos, Tokelo fez uma incursão pelo corredor direito, mas o seu remate não teve enquadramento com a baliza de Zacarias.

Aos 43 minutos, na sequência de um canto na esquerda, a bola sobrou para Jerry e este chutou rasteiro, tendo válido a atenção de Cufa, que evitou o pior.

No primeiro minuto da segunda parte, os visitantes partiram em ataque rápido através de Timbe, que é derrubado na grande área por Cufa. O árbitro da partida, Ribeiro Manuel, não hesitou em apontar para a marca de grande penalidade.

Chamado a cobrar o castigo máximo, Tokelo rematou para o fundo das malhas, mas o árbitro invalidou o lance. Na repetição, Tokelo chutou para fora.
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:26
 O que é? |  O que é? | favorito

 




Perante cerca de 25 mil espectadores

O Sporting venceu na noite de ontem o Lyon (2-0) no jogo de apresentação aos sócios.

Perante cerca de 25 mil espectadores, a equipa de Paulo Sérgio cedo colocou-se em vantagem: marcou Tonel aos três minutos, após livre batido por Valdés.

No dia em que foi anunciado que Anderson Polga seria o capitão de equipa, os “leões” mostraram um esboço do que poderão vir a fazer na nova época. Com Pongolle e Vukcevic na frente, apoiados de perto por Valdés, coube a Maniche o papel de organizador do jogo.

E se é verdade que na primeira parte o Lyon, que fazia em Alvalade a sua segunda partida na época, conseguiu dividir o jogo e criar mais oportunidades de golo, já na segunda, e apesar das inúmeras substituições feitas por Paulo Sérgio, foram dos “leões” as melhores oportunidades para marcar.
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 12:21
 O que é? |  O que é? | favorito

DEFINITIVAMENTE, Mart Nooij vai ao fim da tarde de hoje assinar um novo contrato com a Federação Moçambicana de Futebol, reassumindo, desse modo, o cargo de seleccionador nacional. O técnico holandês chegou ontem e foi recebido por algumas dezenas de pessoas no Aeroporto Internacional de Maputo, visivelmente satisfeitas com o seu regresso ao comando dos “Mambas”.



Tal como foi acordo em devido tempo, o contrato será rubricado pelo Secretário-Geral da FMF, Filipe Johane, na presença dos vice-presidentes António Chambal e Baptista Bonzo. O presidente Feizal Sidat encontra-se na Alemanha a chefiar os “Mambinhas” Sub-17, convidados para aquele país pela Federação de Futebol da Baviera.

Tendo em conta as eliminatórias para o CAN Gabão/Guiné-Equatorial-2012, em que a turma moçambicana defronta a 5 de Setembro, no Estádio da Machava, a selecção da Líbia, estão programados alguns jogos amigáveis, de entre os quais a 11 de Agosto, data-FIFA, diante do Egipto, no Cairo, ou da Namíbia, em Windhoek.
publicado por Vaxko Zakarias às 10:02
 O que é? |  O que é? | favorito






Estádio Nacional do Zimpeto

Estádio Nacional do Zimpeto! É assim que se vai chamar o maior empreendimento desportivo do país pós-independência, recinto cuja inauguração está prevista para o mês de Dezembro próximo, com a realização do embate entre os Mambas e um adversário ainda por confirmar.

Reunido na sua 24ª sessão Ordinária, no dia 13 de Julho de 2010, o Conselho de Ministros aprovou aquela designação, após uma proposta do Ministério da Juventude e Desportos.

O processo de escolha do nome a atribuir ao Estádio Nacional do Zimpeto compreendeu um vasto trabalho de pesquisa e de auscultação, culminando, dentre várias propostas, com a designação do bairro onde se localiza aquele gigantesco complexo desportivo.

O Estádio Nacional do Zimpeto, com capacidade para 40 mil espectadores, conta com o financiamento da China, e está orçado em 57 milhões de dólares.

De acordo com o projectado, o campo de futebol terá relva natural. A infra-estrutura contará, outrossim, com uma pista de atletismo, duas telas gigantes para a transmissão das partidas, assim como serviços de apoio.

... E Pedrito caetano orienta seminário sobre o coja

O ministro da Juventude e Desportos, Pedrito Caetano, orienta, hoje, às 9h00, no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, um seminário do Comité Organizador dos Jogos Africanos (COJA).
publicado por Vaxko Zakarias às 09:52
 O que é? |  O que é? | favorito

 


DEFINITIVAMENTE, Mart Nooij vai ao fim da tarde de hoje assinar um novo contrato com a Federação Moçambicana de Futebol, reassumindo, desse modo, o cargo de seleccionador nacional. O técnico holandês chegou ontem e foi recebido por algumas dezenas de pessoas no Aeroporto Internacional de Maputo, visivelmente satisfeitas com o seu regresso ao comando dos “Mambas”.



Tal como foi acordo em devido tempo, o contrato será rubricado pelo Secretário-Geral da FMF, Filipe Johane, na presença dos vice-presidentes António Chambal e Baptista Bonzo. O presidente Feizal Sidat encontra-se na Alemanha a chefiar os “Mambinhas” Sub-17, convidados para aquele país pela Federação de Futebol da Baviera.

Tendo em conta as eliminatórias para o CAN Gabão/Guiné-Equatorial-2012, em que a turma moçambicana defronta a 5 de Setembro, no Estádio da Machava, a selecção da Líbia, estão programados alguns jogos amigáveis, de entre os quais a 11 de Agosto, data-FIFA, diante do Egipto, no Cairo, ou da Namíbia, em Windhoek.
 
Fonte:Jornal Noticias
publicado por Vaxko Zakarias às 09:05
 O que é? |  O que é? | favorito

 






Estádio Nacional do Zimpeto

Estádio Nacional do Zimpeto! É assim que se vai chamar o maior empreendimento desportivo do país pós-independência, recinto cuja inauguração está prevista para o mês de Dezembro próximo, com a realização do embate entre os Mambas e um adversário ainda por confirmar.

Reunido na sua 24ª sessão Ordinária, no dia 13 de Julho de 2010, o Conselho de Ministros aprovou aquela designação, após uma proposta do Ministério da Juventude e Desportos.

O processo de escolha do nome a atribuir ao Estádio Nacional do Zimpeto compreendeu um vasto trabalho de pesquisa e de auscultação, culminando, dentre várias propostas, com a designação do bairro onde se localiza aquele gigantesco complexo desportivo.

O Estádio Nacional do Zimpeto, com capacidade para 40 mil espectadores, conta com o financiamento da China, e está orçado em 57 milhões de dólares.

De acordo com o projectado, o campo de futebol terá relva natural. A infra-estrutura contará, outrossim, com uma pista de atletismo, duas telas gigantes para a transmissão das partidas, assim como serviços de apoio.

... E Pedrito caetano orienta seminário sobre o coja

O ministro da Juventude e Desportos, Pedrito Caetano, orienta, hoje, às 9h00, no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, um seminário do Comité Organizador dos Jogos Africanos (COJA).
 
Fonte:O Pais
publicado por Vaxko Zakarias às 09:00
 O que é? |  O que é? | favorito
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
18
20
22
23
24
25
26
27
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO