Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quarta-feira, 07 DE Outubro 2009

AS medalhas de prata e de bronze conquistadas em Maputo-2003 e Abuja-2005 são uma referência indesmentível sobre o quão valorosa é a nossa selecção feminina no panorama basquetebolístico continental.

Moçambique na grande ilha com uma equipa guerreira(Deolinda)
No entanto, ainda falta o mais importante numa competição desportiva: a medalha de ouro. Se há dois anos em Dacar as expectativas moçambicanas acabaram sendo reduzidas a um autêntico fracasso, desta vez, no Afrobásquete Madagáscar-2009, a começar esta sexta-feira, em Antananarivo, a fasquia foi novamente elevada, residindo no seio do grupo esperanças douradas. E a razão não podia ser menos optimista: uma equipa que, mesclando a juventude e a veterania, tem a virtude de ser guerreira e que na grande ilha do Oceano Índico promete fazer história.

A despeito de a preparação, de forma mais incisiva, ter decorrido durante pouco tempo, devido a outros compromissos, nomeadamente fase final do campeonato da cidade, conquistado pelas “alvi-negras”, e qualificação zonal para a Taça dos Campeões de África, em Harare, que ditou o apuramento do Desportivo e de A Politécnica para o Benin, a equipa técnica acredita que esse tempo disponível foi muitíssimo bem aproveitado, com treinos bastante puxados fisicamente, ensaios tácticos explorados até ao âmago, tudo isto com a devida prontidão e correspondência das atletas.

Tratou-se de uma etapa de preparação que conheceu o seu epílogo ontem, pois esta manhã a selecção segue viagem com destino a Antananarivo, o “teatro das operações”, transportando na bagagem grandes esperanças e que passam, fundamentalmente, pela conquista do título, mesmo reconhecendo o arcaboiço de adversários como Mali, campeão em título, Senegal, Angola e Nigéria. Mas estas equipas têm também nas suas contas a turma moçambicana, cujo prestígio no continente foi nos últimos anos alicerçado pelos dois títulos consecutivos ganhos pelo Desportivo.

O campeonato que sexta-feira arranca terá a participação de 12 formações, repartidas da seguinte forma: Grupo “A” – Madagáscar, Moçambique, Senegal, África do Sul, Camarões e Ilhas Maurícias; Grupo “B” – Mali, Nigéria, Angola, Tunísia, Ruanda e Guiné-Conacri.

AUSÊNCIAS NÃO AFECTAM

Deolinda Gimo atleta ao serviço da selecção nacional feminina de basquetebol
Inicialmente com 14 jogadoras convocadas, o seleccionador nacional, Nazir Salé, viria, de concreto, a trabalhar com 12, porquanto as duas “locomotivas”, Deolinda Gimo e Zinóbia Machanguana, foram literalmente proibidas pelo seu clube de integrar a equipa de todos, alegadamente por a Federação Moçambicana de Basquetebol não ter apresentado o seguro contra lesões.

Na óptica do Ferroviário, esta exigência surge porque uma atleta sua contraiu lesão ao serviço da selecção de Sub-16 e a entidade máxima da bola-ao-cesto do nosso país não se responsabilizou pelas consequências que daí decorreram.*

Uma situação que naturalmente em nada abona no relacionamento são que se pretende entre duas instituições que, quer se queira quer não, estão “condenadas” a trabalhar juntas, uma na qualidade de detentora de atletas necessárias à selecção e outra como responsável pela modalidade no país.

Embora Nazir Salé se tenha empenhado na busca de soluções para colmatar estas duas grandes baixas, não resta a menor dúvida que, particularmente em relação à poste Deolinda Gimo, representará uma ausência de peso, tanto pela posição que ocupa no time como pela forma que apresenta.

Em face destas circunstâncias, e também porque as “estrangeiras” estão indisponíveis, a selecção acabou por se restringir a jogadoras do Desportivo e de APolitécnica, mas que, na argumentação do “mister”, oferecem absoluta confiança na prossecução dos objectivos perseguidos, numa prova em que os dois primeiros classificados se qualificam para o Campeonato do Mundo.

Para Nazir Salé, trata-se de guerreiras que farão história no presente Afrobásquete, algumas pela primeira vez numa competição desta natureza, todavia, com uma extraordinária capacidade de luta e de perseverança.

Pelas “alvi-negras”, envergarão o “jersey” nacional, em Antananarivo, Anabela Cossa, Valerdina Manhonga, Kátia Halar, Leia Dongue, Odélia Mafanela, Ondina Nhampossa e Filomena Micato e, pelas “universitárias”, Aleia Rachide, Amélia Macamo, Marta Ganje, Ana Flávia Azinheira e Ana Branquinho.

publicado por Vaxko Zakarias às 12:44
 O que é? |  O que é? | favorito
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
17
18
24
25
27
28
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO