Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 16 DE Outubro 2008

SEM dúvidas, o Desportivo foi demolidor, apesar de no início ter demonstrado muitas fragilidades, sobretudo no seu sector ofensivo, com Sonito e Binó a não atinarem com a baliza.

Sonito tenta evitar Kito II (S. Costa)
Porém, foram a tempo de se redimir na etapa complementar, apontando um tento cada e alargando, desta feita, a vantagem de uma bola, com que a equipa foi ao intervalo, para 3-0.


O Maxaquene não cedeu de princípio. Deixou a impressão de que o jogo seria partilhado, daí que as oportunidades foram alternadas no decurso da primeira parte. Quem praticou o futebol mais delineado e denotou maior eficiência na movimentação das suas pedras foi inicialmente o Maxaquene, mas perdia a batalha no ataque face à falta de mestria dos seus atacantes.

Por sua vez, o Desportivo foi mais prático e clarividente, aproveitando com maior rigor as oportunidades que lhe apareciam. Acabou, desta feita, sendo os “alvi-negros” a ameaçarem a baliza adversária, num lance em que o ala Kito I fez mau passe no meio campo, ofertando o esférico para o “capitão” Nelinho que, rapidamente, o projectou para o artilheiro Sonito, mas este foi estorvado por Kito II.

A reacção “tricolor” não tardou. Eurico desmarcou-se da defensiva, mas o guarda-redes Jaime foi inteligente na saída e embargou a acção do atacante para posterior alívio da defensiva já na dobra.

Jogando com três centrais e tendo Nelinho, Mexer e Tchitcho no centro do terreno, apoiados à direita por Micas e à esquerda, por Muandro, mais Sonito e Binó no ataque, o Desportivo teve o melhor sistema de jogo que conferiu maior eficiência aos três sectores.

Esta estratégia proporcionou maior consistência ao seu meio-campo o que permitiu que ganhasse batalha no miolo e, desse modo, alimentasse o ataque com maior frequência. Mas o Maxaquene conseguiu igualmente arrancar algumas jogadas perfeitas, isto muito pelo corredor direito, donde o defensor Campira fez excelentes subidas que possibilitaram alguns flanqueamentos transportando perigo para a baliza de Jaime.

Mas o lance mais clarividente a surgir primeiro foi do Maxaquene, naquilo que foi a combinação mais perfeita entre Eurico e Stiven à entrada da grande área, tendo este último atirado pouco ao lado, aos 19 minutos. Os “alvi-negros” ripostaram numa iniciativa do médio-ofensivo Tchitcho, mas Sonito novamente não teve mestria e foi desarmado na zona de rigor, aos 26 minutos.

Com estes desequilíbrios jogo foi rolando e as oportunidades foram alternando para cada lado, mas o Maxaquene voltou a pecar em grande, quando Eurico, em antecipação ao “central” Emídio, penetrou na área, mas não conseguiu evitar Jaime, chutando para a figura deste.

A doença parece que era comum em ambas as partes pois, a seguir deste lance, Sonito, ganha disputa do esférico com o “keeper” Nelinho e cruza para a cabeça de Binó, que desvia ao lado da baliza escancarada. Mas quem acabou sendo bafejado pela sorte foi o Desportivo, num lance em que o médio Michael divide a bola com Micas, na tentativa de alívio do perigo na área “tricolor”. António Massango considerou carga sobre Micas e assinalou penalte muito duvidoso.

Chamado a cobrar, Mexer fê-lo com êxito, aos 45 minutos. Esta vantagem teria sido dilatada ainda na primeira parte, durante o prolongamento. Uma falha incrível de Sonito, na boca da baliza, relegou o jovem ponta-de-lança ao descrédito. Micas, do lado direito do ataque, fez tudo para Sonito finalizar, mas este não viu a baliza muito próxima de si.

Esperava-se uma reacção positiva dos “tricolores”, na derradeira etapa, mas as esperanças de superar a desvantagem foram água abaixo, pois Sonito redimiu-se logo no terceiro minuto, batendo categoricamente Nelinho.

Este tento desesperou os “tricolores” e só devido às falhas grossas que o Desportivo não conseguiu o resultado mais volumoso. O “central” Josué também desperdiçou a chance de marcar, com a baliza de Nelinho novamente escancarada.

De seguida foi o jovem “caloiro” Isac, que entrou a substituir Sonito, a chutar para a base do poste, na sequência do livre a castigar o derrube de Mayunda por Stiven, acção que valeu à expulsão do atacante “tricolor”, aos 34 minutos.

Reduzido a 10 unidades, o Maxaquene perdeu totalmente a batalha e num lance rápido, Binó fugiu à marcação defensiva, evitando de seguida Nelinho e fazer 3-0.

A equipa de arbitragem teve uma boa actuação, à excepção do penalte que para nós foi forçado.

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: António Massango, coadjuvado por João Paulo e Daniel Filipe. O quarto árbitro foi Amosse Lázaro.

MAXAQUENE – Nelinho; Campira, Narcísio, Kito II e Fred (Liberty); Kito I (Nelsinho), Jumisse, Macamito e Michael; Eurico (Amílcar) e Stiven.

DESPORTIVO – Jaime; Josué, Zainadine Júnior e Emídio; Micas, Nelinho, Mexer, Tchitcho (Mayunda) e Muandro (Nelson); Sonito (Isac) e Binó.

DISCIPLINA: cartolinas amarelas para Michael e Eurico, do Maxaquene; mais Sonito, do Desportivo. Vermelho para Stiven, por jogo perigoso.

SALVADOR NHANTUMBO

publicado por Vaxko Zakarias às 13:37
 O que é? |  O que é? | favorito

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
18
19
22
25
26
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO