Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 08 DE Dezembro 2016

 

A DELEGAÇÃO moçambicana aos Jogos da Zona V (ex-Jogos do SCSA) deixou ontem a capital do país com destino à angolana, Luanda, onde de amanhã até ao dia 19 do mês em curso fará parte do evento que junta os 10 países da região austral, nomeadamente o país anfitrião, Moçambique, Suazilândia, África do Sul, Botswana, Lesotho, Namíbia, Zimbabwe, Malawi e Zâmbia.

 

Moçambique leva uma delegação de 75 pessoas, dos quais 36 atletas em representação das modalidades de atletismo, natação, boxe, judo, ginástica e atletismo adaptado (para deficientes). Os restantes membros da delegação são técnicos, oficiais, dirigentes e pessoal de apoio.

 

Dificuldades de ordem financeira face à crise económica que o país atravessa limitaram o número de modalidades. Esta é a razão pela qual Moçambique não levou nenhuma modalidade colectiva. O basquetebol feminino era uma das principais apostas moçambicanas no evento, mas acabou sendo retirado devido ao défice orçamental. Aliás, esta é a única modalidade colectiva inscrita nos jogos.

 

Falando sobre a participação moçambicana no evento, o chefe da missão aos jogos, Arsénio Sarmento, defendeu que, apesar de contar com uma delegação mínima, Moçambique participa no evento com o objectivo de melhorar o quarto lugar, que é a sua melhor classificação de sempre neste evento.

 

Apesar de termos preparado estes jogos nas dificuldades que o país atravessa, salientar que os atletas esforçaram-se bastante nos últimos meses e a delegação projecta dignificar o país ocupando os lugares do pódio a todos os níveis, com uma melhor classificação não só em termos competitivos, mas também ao nível organizacional e comportamental. Queremos representar o país com glória e honra”, prometeu.

 

Sarmento agradeceu o Governo que, mesmo diante das dificuldades e com a incapacidade de poder levar toda delegação, honrou com os compromissos de filiação (pagamento de quotas) e participação de Moçambique no evento.   

 

Salientar que a última edição teve lugar em Bulawayo, no Zimbabwe, em 2014, ano em que a organização projectou a alteração da designação “Jogos de SCSA” para “Jogos da Zona V” e que acabou sendo oficializada, em 2015, na reunião dos ministros da Juventude e Desportos da região austral. Moçambique ocupou, no Zimbabwe, a quarta posição, num evento ganho pela África do Sul. Este foi o segundo quarto lugar de Moçambique, depois da edição realizada na Zâmbia.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:59
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O SEGUNDO dia do Campeonato Africano de Vela veio confirmar uma selecção moçambicana favorita para amealhar medalhas, pelos menos em duas classes das quatro envolvidas.

 

Na Classe Laser 4.7, Deurry Mavimbe esteve em grande ao conseguir dois segundos lugares em duas regatas. O velejador deu um salto qualitativo na medida em que, no primeiro dia, tinha se classificado na sexta e terceira posições. A boa prestação de Mavimbe levou a que subisse ao segundo lugar na classificação geral atrás do tunisino Rami Ridene.

 

Já na Classe Laser Radial, Velik Manhiça manteve a regularidade do primeiro dia ao classificar-se em segundo na primeira regata e em terceiro na segunda. Tal como Deurry Mavimbe, o talentoso velejador nacional, terminou o dia em segundo na classificação geral. Mantendo estes estatutos, poderão pelo menos arrecadarem medalhas de prata, sendo que o ouro é uma forte hipótese.

 

A Classe Laser Radial é comandada pelo sul-africano Calvin Gribbs.

 

Na Classe 420, o dia não correu bem. A dupla Adolfo Novela/Alcidio Lino baixou de rendimento ao ficar na sétima e quarta posições, na primeira e segunda regatas, respectivamente. No primeiro dia de prova, terça-feira, o par tinha obtido o primeiro e o quarto lugares.

 

A descida de rendimento fez com que caísse um degrau na classificação, ou seja, do segundo para o terceiro posto. O mesmo aconteceu com a dupla angolana Jeremias de Sousa/José Manasseis que caiu da primeira para a segunda posição, cedendo a liderança aos compatriotas Paulo Sena/Francisco Kilombo.

 

Por último, na Classe Laser Standard, as chances de conquistar medalhas tornaram-se ínfimas, visto que Ezequiel Chachine terminou o dia como nono classificado no quadro geral, depois de ter ocupado nas duas regatas o oitavo lugar.

 

Allan Julie, das Seychelles, lidera a prova.

 

Hoje, a competição prossegue com a “largada” a estar marcada para as 9.30 horas, sendo que as altas temperaturas que estão previstas poderão afectar o rendimento dos velejadores.

 

Participam no “Africano” que decorre pela primeira vez em terras moçambicanas seis países, nomeadamente Moçambique, Angola, África do Sul, Argélia, Tunísia e Seychelles.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:26
 O que é? |  O que é? | favorito

 

A ACADÉMICA sagrou-se na noite de terça-feira campeã nacional de voleibol em seniores femininos ao vencer a sua homónima “B” por 3-0, em jogo da terceira e última jornada.

 

A vitória da Académica não sofre qualquer tipo de contestação. Aliás, o triunfo por 3-0 fala por si. Entraram muito confiantes em campo e no primeiro “set” deixaram evidente que não iriam dar chances ao adversário. Venceram por 25-15, números que enganam quanto a equipa mais destemida em campo.

 

O segundo “set” foi mais disputado. A equipa “B” da Académica esteve mais concentrada e diga-se que soube dignificar o espectáculo, mas mesmo assim foi a formação “A” das “estudantes” que acabou sobressaindo. O segredo foi manter a serenidade e aproveitar ao máximo as oportunidades para pontuar. A experiência e maior frescura física das treinadas de Felicidade Nhantumbo foi determinante para que saíssem a vencer pelos parciais de 25-18.

 

No terceiro e último “set” viu-se uma Académica galvanizada e com um título já quase garantido, enquanto doutro lado o oponente estava desgastado e afectado animicamente. Não esteve praticamente em campo e o resultado de 25-11 elucida o domínio das novas campeãs nacionais. 

 

As “estudantes” somaram a quarta vitória consecutiva (12 pontos). Nas rondas anteriores tinham ganho a Aliança (3-0), UP de Maputo (3-0), UP de Nampula (3-1).

 

A grande desilusão do “Nacional” foi a ex-campeã Aliança que terminou a sua campanha na quarta posição. Na última ronda perdeu com UP de Maputo por 3-1.

 

RESULTADOS DAS MEIAS-FINAIS (SENIORES MASCULINOS)

 

Académica-USTM ( 3-0 )

AT de Nampula-UP de Nampula ( 3-0 )

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:20
 O que é? |  O que é? | favorito

 

A SELECÇÃO Nacional de Futebol de Sub-20 já se encontra na vizinha África do Sul, onde desde ontem decorre o Torneio da COSAFA que junta equipas dos países da Região Austral.

 

Entretanto, os “Mambinhas” só se estreiam no dia 13, defrontando a convidada RD Congo, no Grupo “D”, no qual estão igualmente as ilhas Comores.

 

O combinado nacional terá de provar quanto vale perante os congoleses que, a prior, apresentam-se como favoritos à transição para as meias-finais, sendo que cada um dos quatro grupos apura apenas uma selecção. 

 

Esta é mais uma oportunidade para a rodagem da selecção de sub-20 que, depois de afastada da corrida para o CAN-2017, não tem estado a competir já há bastante tempo.

 

Para o jogo inaugural, ontem, a selecção do Botswana defrontou a sua congénere da Suazilândia em Moruleng Stadium, na Província do Nordeste (North West Province), um dos palcos do torneio.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:03
 O que é? |  O que é? | favorito

 

HOUVE surpresa no encerramento da época desportiva de hóquei em patins. A selecção de juniores venceu a de seniores por 11-10, numa descontraída partida em que os mais novos acabaram sendo mais certeiros.

 

É motivo para dizer que o investimento a nível de formação está a dar os seus frutos e estes não podiam ser mais visíveis. Kevin Pimentel (joga nos seniores, mas com idade ainda de júnior), Pimentel Júnior, Nuno Pereira, Artur Marcos, Macario Joaquim, Miguel Machado, Miguel Michael e Vusi Rául, são alguns dos jovens que têm despontado e que ajudaram a construir esta vitória histórica, perante os seniores que fizeram alinhar Kiko, Maninho, Mercy Mungoi e Mafamba, Nuno Canaveira, Bruno Pimentel, entre outros. Enquanto os mais novos só tinham os olhos postos na baliza, os mais velhos entraram em fintas e acabaram por pagar caro a factura.

 

Num dia em que houve mais sorrisos do que tristezas, visto que se tratava de uma partida mais para fechar o ano.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:47
 O que é? |  O que é? | favorito
Quarta-feira, 07 DE Dezembro 2016

 

A SELECÇÃO Nacional teve uma estreia com sabor agridoce no arranque, ontem, do Campeonato Africano de Vela nas classes de laser, radial e 420 que arrancou ontem na cidade de Maputo com seis países a fazerem-se ao mar, nomeadamente Moçambique, Angola, África do Sul, Tunísia, Argélia e Seychelles.

 

Na classe 420, os velejadores moçambicanos, nomeadamente Adolfo Novela e Alcídio Lino terminaram em primeiro na regata inicial e quarto na segunda, tendo no quadro geral ficado no segundo, atrás da dupla angolana: Jeremias de Sousa e José Manasseis.

 

Na classe Laser Radial, o velejador Velik Manhiça ficou em primeiro na primeira regata e em terceiro na segunda regata, fechando, a sua participação, no primeiro dia de prova, em segundo na classificação geral. Manhiça foi superado pelo angolano Filipe André.

 

A participação moçambicana baixou de rendimento no Laser Standard ao terminar em sexto lugar. Marcolino José representou o país nesta prova, tendo ocupado a quinta e a sexta posições, na primeira e segunda regatas, respectivamente.

 

A prova prossegue hoje no seu segundo dia, sendo que os velejadores nacionais irão procurar dar o seu máximo para lutarem pela liderança.

 

Esta é uma prova em que os velejadores mais regulares, ou seja os que mais vitórias alcançarem no conjunto das duas regatas, até sábado, último dia de prova, serão os campeões africanos. 

 

Moçambique organiza pela primeira vez na história o “Africano” de Vela, através de uma parceria entre a Federação Moçambicana de Vela e Canoagem e o Clube Marítimo de Desportos.

 

Refira-se que Moçambique, Angola e África do Sul participam nas classes de 420 e laser, enquanto Argélia, Seychelles e Tunísia, fazem-se presentes apenas na vertente laser.

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 12:20
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O NADADOR olímpico Igor Mogne é o único atleta moçambicano presente nos XIII Campeonatos Mundiais de Piscina Curta, que ontem arrancaram em Windsor, no Canadá. O evento, que junta os melhores nadadores do planeta em piscina de 25 metros, prolongar-se-á até segunda-feira.

 

Segundo informações avançadas pelo presidente da Federação Moçambicana de Natação (FMN), Fernando Miguel, as nadadoras Jéssica Cossa e Jannah Sonnenschein, na Rússia e Holanda, respectivamente, e que constavam da convocatória para Windsor, estão indisponíveis devido a compromissos académicos (exames).

 

Jéssica Cossa e Jannah Sonnenschein, as melhoras nadadoras nacionais da actualidade, são as únicas que respondem aos requisitos (mínimos) de participação exigidos no evento, isto de acordo com o secretário-geral da FMN, Edgar Chitsondzo.

 

Por ser campeonatos de piscina curta e não havendo internamente atletas que pudessem corresponder a este chamamento, vimo-nos impossibilitados de indicar outras nadadoras”, justificou-se Chitsondzo.

 

Sendo assim, Igor Mogne, cuja última aparição ao serviço da Selecção Nacional foi no Campeonato Africano de Piscina Longa, em Bloemfontein, na vizinha África do Sul, vai tentar, entre as estrelas de natação mundial, vincar o seu talento, entanto que melhor nadador moçambicano dos últimos tempos. O jovem atleta vai nadar nos 50, 100, 200 e 400 metros livres, suas especialidades de eleição; 50 mariposa e 100 costas. Mas é em 200 e 400 livres onde Mogne deposita maior confiança, depois de dois quartos lugares, respectivamente, em Bloemfontein.

 

Entretanto, esta é a segunda vez consecutiva que Jéssica Cossa e Jannah Sonnenschein falham mais uma competição de grande nível, depois do “Africano” de Bloemfontein.

 

FMN NOS ENCONTROS DA FINA

 

Paralelamente aos “Mundiais” de Windsor, decorrem no Canadá as reuniões promovidas pela Federação Internacional de Natação (FINA), nomeadamente “World Aquatic Convention”, uma plataforma de concertação entre atletas de referência, dirigentes, empresários, cientistas, pesquisadores, organizações não-governamentais e internacionais; e “Sports Medicine Congress” e “Golden Coach Clinic”.

 

Nestes eventos, a FMN far-se-á representar, respectivamente, pelo vice-presidente da instituição, Sérgio Rodrigues; presidente do Conselho de Desenvolvimento, João Carlos Mabjaia; e por José Ferrão, técnico do Ferroviário da Beira, indicado para acompanhar a selecção.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:02
 O que é? |  O que é? | favorito

 

MOÇAMBIQUE vai dirigir o Comité Africano da modalidade nos próximos quatro anos. O anúncio foi feito durante o Congresso da Patinagem realizado em Cotonou, Benin (decorreu de 2 a 5 de Dezembro), sendo que irá ser responsável pelas áreas de hóquei em patins e corrida de patins em linha.

 

O presidente da Federação Moçambicana de Patinagem (FMP), Nicolau Manjate, que esteve na capital beninense, em representação da modalidade no país, diz ter aceite o convite que foi formulado à federação moçambicana com enorme satisfação, por entender estar aberta mais uma “porta” para a modalidade progredir no país. “Ao termos o nosso país, em particular a federação de patinagem, a assumir um cargo tão importante em África, passamos claramente a ter mais voz activa nos grandes congressos internacionais. Passamos a ter mais hipóteses de ir buscar apoios de forma a fomentar a patinagem no país. Se o ano de 2016 foi bom, acreditamos que com esta nomeação o 2017 será ainda melhor”, afirmou, acrescentando que após este congresso, África ficou mais unida em prol do desenvolvimento da patinagem.

 

O dirigente máximo da patinagem no país acrescentou que a missão que o país passou a ter é nobre e que conta com o apoio da família da modalidade para desenvolver o hóquei e a corrida de patins em linha, não só no país, mas também a nível do Continente Africano. “Fomentar o desenvolvimento do hóquei em patins e corrida de patins em linha no Continente Africano. Esta é a missão que nos incumbiram. Passamos a ter uma responsabilidade ainda maior na patinagem. Temos a missão de levar o hóquei, sobretudo o hóquei em patins, para os países africanos. Notei que existem muitos países a praticarem outros estilos da patinagem, como por exemplo as corridas de patins e patinagem artística e é preciso elevarmos esse número de quatro nações a praticarem hóquei”, frisou. Sublinhe-se que apenas Moçambique, Angola, África do Sul e Egipto praticam hóquei em patins no Continente Africano.

 

Participaram no Congresso países como Moçambique, Angola, África do Sul, Benin, Camarões, Congo, Egipto, Gabão, Gana, Quénia, Guiné-Conacry, Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, Senegal, Sudão, Tanzania e Uganda.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:57
 O que é? |  O que é? | favorito

 

AS meias-finais do Campeonato Nacional de Voleibol em seniores masculinos realizam-se hoje no pavilhão do Desportivo com os seguintes jogos: USTM “B”-Académica e AT de Nampula-UP de Nampula.

 

A primeira semi-final está agendada para as 18:00 horas e colocará frente-a-frente, a USTM “B” e Académica. A USTM passou para as meias-finais com primeiras classificadas do Grupo “A”, após vencer na terceira e última jornada a UP de Nampula, por 3-0. Já a Académica seguiu para as “meias” na qualidade de segundo classificado do Grupo “B”, sendo que na última jornada foi derrotada pela AT de Nampula, actual campeã nacional.

 

Para este jogo, a Académica é favorita diante da USTM, se se atender que se superiorizou nos embates com os “universitários”, tendo conquistado inclusive o campeonato e taça Maputo. Os “estudantes” são por via disso candidatos a transitar para a final.

 

A outra partida entre a AT e UP tem início previsto para as 20:00 horas. O super “team” da AT, campeão africano por cinco vezes da zona VI, é novamente o mais sério favorito não só a passar para a final, bem como a arrebatar o título nacional. AT rumou às meias-finais com um conjunto de três vitórias em igual número de jogos realizados, o que lhe levou a passar como líder isolado do Grupo “B”, enquanto a UP apurou-se em segundo do Grupo “A”.

 

ACADÉMICA “M” NA FRENTE

 

Nos seniores femininos, Académica “M” lidera a prova com seis pontos, frutos de duas vitórias consecutivas. Na última ronda, Académica “M” venceu a UP de Maputo, por 3-0.

 

Ao contrário dos masculinos, o campeão em femininos será encontrado num duelo de todos contra todos numa só volta.

 

Noutro jogo da ronda, a Aliança bateu a UP de Nampula, por 3-0. Académica “B” ficou de fora.

 

De referir que Aliança é actual campeã nacional.

 

ALIANÇA CAMPEÃ DE JUNIORES

 

A Aliança sagrou-se campeã nacional de juniores em masculinos ao vencer no jogo decisivo a equipas das Andorinhas de Gaza, por 3-0. Nas contas finais somou nove pontos, após três vitórias consecutivas.

 

Em segundo lugar ficou a USTM ao bater Académica, por 3-1. 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:52
 O que é? |  O que é? | favorito

 

MAIS de 10 nadadores integram a Selecção de juniores de Maputo, que de hoje até domingo participa num torneio regional em Pretória, na vizinha África do Sul.

 

O evento, no qual a selecção de Maputo participa na condição de convidada, serve de rodagem para as competições internas que se avizinham, com destaque para o campeonato da cidade e que se realizará de 15 a 18 do més em curso, na Piscina Olímpica do Zimpeto.

 

Esta é a segunda selecção que, num intervalo de sensivelmente uma semana, participa em mais um torneio na RAS. A primeira, de nível I, portanto envolvendo iniciados e juvenis, participou semana passada numa competição com o mesmo objectivo, em Mphumalanga.

 

Do grupo que vai para Pretória, nove atletas são do Golfinhos de Maputo, nomeadamente Yannis Chonguissa, Manuel António, Yannick António, Hugo Dias, Justino Pale, Noay Wagner, Zoe Wagner, Mário Aliangue e Alícia Mateus; e três do Clube Naval, designadamente Cayo Lobo, António Freitas e Melisssa Rocha. Este trio é acompanhado pela nadadora sénior Géssica Stagno.

  

Integram ainda a delegação os técnicos Pedro Jalane e Carolina Araújo, ambos do Golfinhos; os juízes cronometristas Lourenço Mascarenhas e José Mathe; e dois dirigentes, designadamente Simplício Fernandes e Ana Filipa.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:43
 O que é? |  O que é? | favorito
Dezembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
Boa tarde so keria dar um tok au meu chara.inacio ...
Boa tarde so keria dar um tok au meu chara.inacio ...
ferroviario mais forca a taca ta volta no estadio ...
força f.beira a taça tm d voltar a chiveve
Boa noiteSou brasileiro e em 2017 estou indo morar...
Força ai seleccina mas e exclui alguns ai
Não kuero decepção sou grande adepto dos mambas pe...
blogs SAPO